A jovem iraniana por trás do sucesso das redes sociais israelenses no Irã

Israel implantou nos últimos anos uma campanha promocional esmagadora através das redes sociais para alcançar não apenas países aliados, mas também nações árabes hostis, e foi assim que alcançou uma conquista importante ao angariar mais de 300.000 seguidores em sua conta oficial no Twitter persa.

“Nosso canal oficial em persa já tem 300 mil seguidores, e subindo! Convidamos todos os palestrantes do idioma persa a participar e seguir este canal, que se tornou uma ponte de amizade ao longo dos anos”, transmitiu o Ministério das Relações Exteriores ao anunciar a importante conquista da comunicação.

A conta foi lançada em dezembro de 2010 como parte de uma ampla estratégia de comunicação do Ministério das Relações Exteriores de Israel, que incluiu Facebook, Twitter, Instagram, YouTube e Telegram, enquanto outros programas estão sendo executados em redes como Pinterest, Reddit, TikTok e LinkedIn, entre outras.

Booking.com
O Ministério das Relações Exteriores fez o anúncio em sua conta em Farsi.

Os relatos são gerenciados por Sharona Avginsaz, que transformou sua presença nas redes sociais em uma das diplomatas mais importantes de Israel, embora ela não seja embaixadora ou cônsul, nem mesmo uma oficial associada.

No entanto, a jovem ganha destaque por sua missão de supervisionar a ligação entre o Estado Judeu e o povo do Irã. Em nota recente publicada pelo portal israelense Novo Mundo, a chefe do Departamento Digital em Farsi do Ministério das Relações Exteriores se apresentou na sociedade e contou como alcançou uma posição-chave no Ministério das Relações Exteriores.

“Nasci e cresci em Teerã. Todos os dias começamos as aulas na escola recitando ‘Morte a Israel, morte para a América’. Por oito anos ficamos presos no Irã tentando escapar. Hoje interajo com milhões de iranianos em nome do governo israelense; não consigo expressar em palavras a emoção e a satisfação que sinto”, disse ela.

Sharona Avginsaz, a diplomata livre das redes sociais israelenses em persa.

Avginsaz admitiu que está ciente de que está “lidando com uma nação inimiga e hostil” e é por isso que ela reavalia a possibilidade de gerenciar a plataforma persa como “a única maneira de estar lá, de se comunicar com o público iraniano, de construir uma ponte para o povo do Irã acima de seu regime”.

A equipe “Frasi” é surpreendentemente pequena, mas são especialistas em redes sociais, jovens, enérgicos e motivados, que operaram durante os últimos anos no Ministério das Relações Exteriores em Jerusalém.

Sem dúvida, esse reconhecimento de alcançar 300.000 seguidores é como a coroação do que significou um boom na presença israelense nas páginas dos países árabes desde a assinatura dos históricos Acordos de Abraão com os Emirados Árabes Unidos e o Bahrein.

Lorena Khateeb, que trabalha no Ministério das Relações Exteriores de Israel dentro do Departamento de Diplomacia Digital, e foi uma das principais vozes que estenderam seus braços para os Emirados, descreveu em uma entrevista recente à Agência AJN o importante impacto que os Acordos de Abraão tiveram no mundo árabe.

Assinatura dos acordos de Abraão entre Israel, Emirados e Bahrein, na Casa Branca.

“Com a ajuda de nossas páginas e o trabalho no departamento digital do Ministério das Relações Exteriores e especialmente em árabe, conseguimos alcançar pessoas de todo o mundo árabe.

Recebemos muitas consultas e mensagens de paz, pessoas que procuram se mudar para Israel, pessoas que apoiam Israel. Criamos o palco, criamos o diálogo entre os povos. As pessoas querem construir pontes com os israelenses.

Através de nossas páginas, eles estão encontrando o cidadão israelense comum e percebem que ele não é o inimigo”, disse Khateeb. Por sua vez, Yiftaj Curiel, que lidera o Departamento Digital, ressaltou que Israel foi “um dos primeiros países a abrir canais digitais” e confirmou que tem “uma das maiores operações do mundo”. Começando com uma única página do Facebook em árabe em janeiro de 2011, a equipe de diplomacia digital desde então se expandiu em tamanho e escopo.

Leia mais:

O departamento de Curiel está distribuído em cinco plataformas principais: Facebook, Twitter, Instagram, YouTube e Telegram, enquanto atualmente também executa programas piloto em redes de nicho como Pinterest, Reddit, TikTok, LinkedIn e outras.

Yiftaj Curiel, responsável pela diplomacia digital israelense.
Yiftaj Curiel, responsável pela diplomacia digital israelense.

A atividade digital de Israel inclui mais de 800 canais exclusivos em 50 idiomas, com cerca de 10 milhões de seguidores. Estes incluem mais de 250 canais oficiais em embaixadas e consulados, cerca de 250 contas de diplomatas israelenses, bem como sites, contas de sede e muito mais.

Todos os meses o departamento atinge cerca de 200 milhões de pessoas. Somente no Irã, suas contas de mídia social recebem 5,5 milhões de visitas por semana. Sharona Avginsaz ressalta: “Temos uma página de Instagram de muito sucesso que atinge 3,5 milhões de pessoas toda semana”.

” Ele acrescenta que esta plataforma é uma das poucas que não foi bloqueada pelo regime do Aiatolá. “O telegram também é muito popular no Irã”, diz ele, de acordo com o relatório publicado no portal israelense Novo Mundo.

Outra razão pela qual a diplomacia digital se encaixa perfeitamente com Israel é o nível de experiência do país em alta tecnologia. “Muitas das principais empresas de Internet e cibernética do mundo hoje estão presentes em Israel, por isso temos acesso a ela”.

Trabalhamos duro para encontrar aqui as pessoas certas que podem nos apoiar em nossas atividades. Curiel acredita que a diplomacia digital não pode ser separada das relações exteriores tradicionais e até qualifica as redes sociais como uma “atividade-chave” para os diplomatas.

David Elmescany

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Next Post

Irã pode estar a apenas "meses" do desenvolvimento de armas nucleares

ter fev 2 , 2021
O secretário de Estado dos EUA, Anthony Blinken, alertou nesta segunda-feira que o Irã estava a apenas alguns meses de produzir material suficiente para construir uma arma nuclear. Em conversa com a NBC, o principal diplomata dos EUA disse que poderia ser apenas “uma questão de semanas” se o Irã […]