Alegado ataque israelense desativa Aeroporto Internacional de Damasco

ataque israelense

Duas empresas de satélite publicaram imagens mostrando danos significativos nas pistas do Aeroporto Internacional de Damasco depois que supostos ataques israelenses atingiram o local na quinta-feira.

A ImageSat International e a Maxar Technologies publicaram as fotos na noite de sexta-feira, horas depois que o Ministério dos Transportes da Síria anunciou que o aeroporto fora da capital síria estava fechado para voos devido a interrupções técnicas.

A mídia estatal síria SANA afirmou que Israel realizou ataques contra alvos ao sul de Damasco por volta das 04:20 da manhã de sexta-feira, ferindo uma pessoa e causando danos materiais.

As imagens de satélite mostraram três crateras de impacto nas pistas militares e civis, tornando-as inoperantes e “desativando todo o aeroporto até o reparo”, disse o ISI.

A Rússia condenou os ataques aéreos no aeroporto com a porta-voz do ministro das Relações Exteriores, Maria Zakharova, dizendo que tais ações colocam em perigo companhias aéreas civis e civis.

“Somos compelidos a reiterar que o contínuo bombardeio israelense do território da República Árabe Síria, em violação das normas básicas do direito internacional, é absolutamente inaceitável. Condenamos veementemente o ataque provocativo de Israel ao objeto mais importante da infraestrutura civil síria. “, disse Zakharova.

Tais “ações irresponsáveis ​​criam sérios riscos para o tráfego aéreo internacional e colocam a vida de pessoas inocentes em perigo real”, continuou ela, acrescentando que “exigimos do lado israelense que pare com essa prática cruel”.

Foi o terceiro ataque contra alvos na Síria atribuído a Israel em menos de uma semana.

LEIA MAIS
Ministério da Defesa encomenda centenas de veículos de combate da IAI
A comunidade negra deve lutar contra a mentira de que Israel é um estado racista
Tribos misteriosas que negam pertencer a raça humana

Ataques israelenses

Na noite de segunda-feira, um suposto ataque aéreo israelense atingiu locais ao sul de Damasco . O site sírio Capital Voice informou na manhã de terça-feira que o ataque tinha como alvo uma fábrica para o desenvolvimento de armas iranianas na cidade de Aqraba.

Na noite de terça-feira, relatórios sírios alegaram que tanques israelenses atacaram posições pertencentes aos militares sírios perto de El Malgah, na região de Quneitra, no sudoeste da Síria.

Após o suposto disparo de tanques, aviões israelenses lançaram panfletos alertando que Israel não toleraria a presença de militares sírios na zona desmilitarizada, de acordo com a Rádio Houran, afiliada à oposição.

Tenções do Irã

Israel alertou repetidamente sobre as ambições nucleares do Irã, bem como as aspirações de hegemonia regional e admitiu centenas de ataques aéreos como parte de sua campanha de “guerra entre guerras” (conhecida como MABAM em hebraico) para impedir a transferência de armas avançadas para o Hezbollah no Líbano e o entrincheiramento de suas forças na Síria, onde poderiam facilmente agir contra Israel.

De acordo com o chefe do Estado-Maior da IDF, tenente-general. Aviv Kohavi, Israel intensificou sua campanha e somente nos últimos dois meses Israel realizou uma quantidade de dois dígitos de ataques em todo o Oriente Médio como parte do MABAM.

Não só os ataques na Síria destruíram uma quantidade imensurável de armamento avançado e estratégico, como os corredores aéreos, terrestres e marítimos do Irã não funcionaram por 70% de 2021 devido a operações realizadas como parte da campanha.

Os ataques ocorrem no contexto de crescentes tensões com o Hezbollah e o Irã na Síria , e o peso da pressão de líderes ocidentais sobre o Irã, principalmente a resolução da AIEA de censurar o Irã por violações nucleares. 

Israel, cuja política de longa data e consistente era que o suposto desenvolvimento nuclear do Irã requer uma abordagem mais dura, encerrou há duas semanas seu maior exercício de treinamento na história de Israel, apelidado de “Carruagens de Fogo”. 

Incluiu simular alvos de ataque longe das fronteiras de Israel, incluindo o Irã. De acordo com um relatório em Walla! Notícias, a Força Aérea de Israel aprendeu a voar seus jatos F-35 de Israel para o Irã sem precisar de reabastecimento no ar. Também está integrada uma bomba de 1 tonelada que pode ser transportada dentro do compartimento de armas interno do F-35 sem comprometer sua assinatura de radar furtiva.

*Provavelmente o motivo do ataque ao aeroporto se deve a alguma carga que estava a caminho da Síria, carga com armas perigosas que deveriam estar a caminho de grupos terroristas na região.