CDH da ONU discute as ações de Israel em Gaza

Esqueça o que diz a grande mídia: não há “protestos pacíficos” na Faixa de Gaza. Isso é #fakenews.

Uma população controlada pelo cabresto não sabe protestar, somente obedece a ordens. O que há em Gaza são manifestações sancionadas, organizadas e financiadas pelo grupo terrorista Hamas que, em um raro momento de sinceridade, admitiu que 80% dos palestinos mortos no protesto da semana passada (14) eram milicianos da facção.[*] Ainda sobre os recentes protestos, Mahmoud Al-Zahar, um dos fundadores do Hamas, admitiu em entrevista à rede Al-Jazeera que “resistência pacífica” é somente taqqiyya – uma narrativa propagada no intuito de enganar o público.[2] Apesar disso, a velha imprensa se presta a ser a agência de propaganda do Hamas, adotando a falsa narrativa de “limpeza étnica” na Palestina sempre que as Forças de Defesa Israelenses protegem seus cidadãos de terroristas. Ao ocultar estes fatos, jornalistas estimulam futuros derramamentos de sangue na região, tornando-se cúmplices do Hamas em sua prática de utilizar-se de escudos humanos – incluindo mulheres e crianças — para criar comoção internacional e legitimar suas operações terroristas.

Coronel Richard Kemp

FONTES: [1] “Senior Hamas Official: 50 Of Those Killed In Gaza Were Hamas Members”. The Daily Wire, 16 de maio de 2018. Disponível em https://goo.gl/dqB8vD [2] “Senior Hamas Official Mahmoud Al-Zahhar on Gaza Protests: This is not Peaceful Resistance, it is supported by our weapons”. Middle East Research Institute, 13 de maio de 2018. Disponível em https://goo.gl/roQHkn APOIE OS TRADUTORES DE DIREITA https://apoia.se/tradutoresdedireita

Viva Israel

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Next Post

Brigitte Gabriel - Diferenças entre as culturas árabe e israelense

dom ago 4 , 2019
Brigitte Gabriel é uma cristã de origem libanesa. Em 1975, durante a guerra civil no Líbano, sua vila foi totalmente destruída por foguetes lançados por militantes islâmicos. Brigitte, na época com onze anos de idade, ficou ferida e foi levada a um abrigo subterrâneo antibombas, onde viveria com sua família […]