China se prepara para nos invadir, Israel não pode confiar em Pequim

china se prepara
O ministro das Relações Exteriores de Taiwan, Joseph Wu, fala com o editor-chefe do Jerusalem Post, Yaakov Katz, em 30 de maio de 2022, de seu escritório em Taipei. 
(crédito: Ministério das Relações Exteriores de Taiwan)

Expressando preocupação com uma possível invasão chinesa de seu país, o ministro das Relações Exteriores de Taiwan, Joseph Wu, alertou Israel de confiar demais na China em uma entrevista exclusiva na segunda-feira .

“A China é um país autoritário e eles fazem negócios com uma filosofia muito diferente”, disse Wu ao The Jerusalem Post em uma entrevista em vídeo de seu escritório em Taipei. “Às vezes eles usam o comércio como arma, e nós os vimos praticando suas relações comerciais armadas com muitos outros países.

“Fizeram isso na Lituânia , fizeram na República Tcheca e também fizeram na Austrália. Às vezes eles tentam fazer isso com Taiwan também. Então, quando fazemos negócios com um país autoritário, precisamos ter muito cuidado. Não devemos permitir que esse tipo de relações comerciais coloquem em risco nossa segurança nacional. E entendo muito bem que Israel também coloca a segurança nacional muito no topo da agenda do governo”, continuou ele.

Laços complicados

As relações israel-taiwanesas são complicadas, principalmente devido a preocupações israelenses de que os laços diplomáticos abertos com a nação insular perturbarão a China, um dos maiores parceiros comerciais de Israel. No início deste mês, por exemplo, o Ministério das Relações Exteriores teria ordenado que diplomatas israelenses estacionados em todo o mundo se abstivessem de convidar autoridades taiwanesas para eventos israelenses ou de participar de eventos organizados por diplomatas taiwaneses.

Outro sinal da sensibilidade é que Wu não pode visitar Israel em sua função oficial de governo. Além disso, o principal diplomata de Taiwan baseado em Israel – Ya-Ping (Abby) Lee – é referido como um “representante” e não um embaixador.

Segundo Wu, a ameaça militar chinesa contra Taiwan tem “aumentado tremendamente” nos últimos meses.

Algo muito estranho foi filmado em Israel

Na segunda-feira – pouco antes de se sentar para a entrevista – Wu disse que cerca de 18 jatos chineses cruzaram as águas econômicas de Taiwan em sua frente sul. Ele disse que, no ano passado, a China realizou 972 missões em zonas de identificação de defesa aérea de Taiwan e, mais recentemente, enviou uma força de ataque de porta-aviões para o leste da ilha. Taiwan, acrescentou, é o alvo número um dos esforços de desinformação e ataques cibernéticos chineses .

“Este é um autoritarismo em rápida expansão e Taiwan está na linha de frente”, disse Wu.

A fonte da agressão chinesa, disse ele, se resume à batalha entre democracia e autoritarismo. “Se você olhar para a China e seu modo expansionista de autoritarismo, é muito claro e deixou sua marca em quase toda parte nesta parte do mundo. Além de Taiwan, eles também tentaram se infiltrar no Mar da China Oriental, local disputado por China, Taiwan e Japão. Eles estão enviando frotas para a área disputada diariamente. E eles também tentam assumir o controle de todo o Mar da China Meridional”, disse ele.

A entrevista com Wu veio apenas uma semana depois que o presidente dos EUA, Joe Biden, alertou que a China estava “flertando com o perigo” de Taiwan e prometeu intervir militarmente para proteger a ilha se for atacada.

“Se a China atacar Taiwan, temos a responsabilidade de nos defender”, disse Wu na segunda-feira. “Mas durante este período de tempo, esperamos que os Estados Unidos possam se envolver em mais cooperação de segurança com Taiwan para trabalhar em conjunto com nossos militares, treinar nossos militares, fornecer os artigos defensivos adequados para que possamos nos defender.

A preocupação de Wu, disse ele, é que os chineses estejam aprendendo a lição errada com a invasão russa da Ucrânia.

“Não tenho certeza se os líderes chineses são racionais ao tomar suas próprias decisões. O que estamos vendo recentemente é que eles parecem estar preparando uma ameaça militar contra Taiwan. Eles parecem estar tentando projetar suas forças muito além de Taiwan”, disse ele. “E, portanto, parece que a China está tirando a lição errada e parece estar tentando examinar o que deu errado na guerra russa contra a Ucrânia para melhorar. E se eles fizerem isso, acho que sua determinação de ir atrás de Taiwan será mais forte”.

Para combater a ameaça chinesa, Wu disse que Taiwan está trabalhando em várias frentes, preparando-se militar e diplomaticamente e tentando “fazer amizade com o maior número possível de pessoas”.

“Por exemplo, estamos tentando expandir nossa amizade com os países do Leste Europeu e com os países bálticos e também estamos tentando fortalecer nossas relações com Canadá, Austrália, Japão e outros”, disse ele. “Israel é um país que pensa da mesma forma e, portanto, queremos fazer um melhor relacionamento com Israel.”

Israel, acrescentou, foi um país inspirador que Taiwan admira. Ele disse que ambas as nações podem trabalhar juntas e aprender uma com a outra. Em julho passado, Wu escreveu um artigo de opinião no Post junto com o ministro de Taiwan, no qual pediu maior cooperação com Israel, particularmente em segurança cibernética e tecnologias emergentes.

“Falando sobre capacidades de autodefesa ou determinação para se defender, Israel tem sido um modelo nas últimas décadas, e temos observado Israel com espanto de sua capacidade de se defender e construir vários tipos de armas de defesa para si mesmo, disse ele. “E isso é algo que queremos imitar. Portanto, embora não haja muitas relações de segurança entre si, nossos especialistas em segurança estão analisando Israel.”

Os países, observou, já assinaram uma longa lista de acordos civis – apolíticos, destacou – que incluem viagens sem visto, reconhecimento de padronização e cooperação em proteção ambiental.

“Compartilhamos a mesma crença na liberdade, na democracia e na proteção dos direitos humanos. E, portanto, temos a mesma opinião e devemos nos envolver mais uns com os outros”, disse ele, acrescentando que, embora os laços estejam sob limitações por causa das relações de Israel com a China, ainda há mais a ser feito para fortalecer os laços Taipei-Jerusalém. .

E ele tinha este conselho para Israel: “Ao lidar com a China, você nunca deve aceitar pré-condições porque uma vez que você aceita pré-condições, você perde, não importa o que aconteça… não deve ou faz concessões, a China também ganha. Um diplomata americano muito importante me disse que você deve estar fazendo algo certo quando a China fica chateada. Portanto, não se preocupe com a China ficar chateada com você. Quando eles ficam chateados com você, isso significa que você está fazendo algo certo.”

Fonte