Embaixadas israelenses em “alerta máximo” após ameaças do Irã

As embaixadas israelenses ao redor do mundo entraram em “alerta máximo” devido às ameaças iranianas de retaliação pela morte do cientista nuclear. A República Islâmica culpa o Estado de Israel pelo assassinato de Mohsen Fakhrizadeh , era o responsável pelo programa nuclear secreto.

Cientista assassinado no Irã.

“Mais uma vez, as mãos más da arrogância global e dos mercenários sionistas foram manchadas com o sangue de um filho iraniano”, disse o presidente iraniano, Hassan Rouhani, em um discurso transmitido pela televisão no sábado.

Leia mais: Uma empresa israelense vai instalar um sistema de rota elétrica na Itália

E acrescentou: “Responderemos ao martírio de nosso cientista no momento certo.”Um porta-voz do ministério de relações exteriores garantiu que o não fará nenhuma declaração sobre questões de segurança. No entanto, as representações diplomáticas do país no exterior tomaram suas respectivas medidas preventivas.

A embaixada israelense na Grécia, uma das sedes diplomáticas fechada

Esta semana, um porta-aviões dos Estados Unidos chegou no Golfo Pérsico, apesar do fato de Washington ter informado que a mudança não foi devido a uma ameaça específica. “O retorno do Nimitz Carrier Strike Group não está relacionado a nenhuma ameaça”, disse a comandante Rebecca Rebarich, porta-voz da Quinta Frota dos Estados Unidos, com base em Bahrein.

A redistribuição está ocorrendo dentro da estrutura de um processo de redução das tropas dos EUA no Iraque e no Afeganistão. “Esta ação garante que tenhamos capacidade suficiente para responder a qualquer ameaça e dissuadir qualquer adversário de agir contra nossas tropas durante a redução das forças”, acrescentou Rebarich.

David Elmescany

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Next Post

Belém ilumina sua árvore de Natal sem público

dom dez 6 , 2020
A árvore de Natal de Belém foi excepcionalmente iluminada mesmo sem público na noite deste sábado (5), devido às restrições impostas na Judéia e Samaria para combater a pandemia do novo coronavírus. As autoridades palestinas anunciaram na semana passada um toque de recolher durante 14 dias na tarde e no […]