Estradas fechadas pelo 2º dia em meio a temores de ataques

Estradas fechadas pelo 2º dia em meio a temores de ataques
O líder do grupo terrorista Jihad Islâmico Palestino na Cisjordânia, Bassem Saadi, é visto logo após sua prisão por tropas israelenses em 2 de agosto de 2022.

As restrições nas estradas perto da Faixa de Gaza permaneceram na quarta-feira pelo segundo dia, quando Israel alertou grupos terroristas baseados no enclave que responderia com força a qualquer ataque de vingança após a prisão de um líder terrorista.

Ao mesmo tempo, os relatórios indicavam que os esforços estavam em andamento para acalmar as tensões após a captura noturna de Bassem Saadi, que lidera a Jihad Islâmica Palestina na Cisjordânia.

As estradas ao redor de Gaza foram fechadas na manhã de terça-feira e os moradores da área foram instruídos a ficar perto de abrigos por medo de ataques de foguetes ou mísseis antitanque em vingança pela prisão de Saadi.

Em uma mensagem aos moradores, os conselhos regionais de Sdot Negev e Eshkol disseram na noite de terça-feira que todos os fechamentos de estradas permaneceriam pelo menos até quarta-feira, após uma avaliação das Forças de Defesa de Israel.

As autoridades haviam indicado anteriormente que a restrição poderia ser suspensa se a noite passasse pacificamente. Não ficou imediatamente claro o que motivou a mudança na política.

Vários relatos na mídia hebraica e palestina na noite de terça-feira indicaram que mediadores egípcios entraram em Gaza para tentar convencer a Jihad Islâmica de quaisquer ataques de vingança.

Com temores de um ataque iminente, o Canal 12 informou que autoridades israelenses transmitiram uma mensagem via Egito aos líderes da Jihad Islâmica e ao Hamas, que governa o enclave palestino, indicando que Jerusalém não estava interessada em uma nova rodada de combates, mas responderia duramente a qualquer ataque ou violação de sua soberania.

Oficiais militares muitas vezes passam mensagens pela mídia israelense enquanto insistem no anonimato total.

As tensões ao redor da Faixa aumentaram durante a terça-feira após a prisão de Saadi em Jenin durante a noite.

A prisão e os vídeos que o mostravam sendo arrastado por soldados alimentaram a raiva palestina e os rumores de que ele havia sido morto.

Saadi foi capturado pelas forças em Jenin junto com seu genro e assessor, Ashraf al-Jada, e outro membro do grupo terrorista foi morto em um tiroteio com tropas.

Alguns relatórios palestinos disseram que Saadi ficou ferido depois de ser mordido por um cão militar durante sua prisão.

Mais tarde, a IDF vazou imagens para os repórteres que pareciam mostrar Saadi em boas condições, com o objetivo de acalmar as tensões.

O nível de alerta dos militares ao longo da fronteira com a Faixa de Gaza permaneceu alto na tarde de terça-feira, embora várias estradas tenham sido fechadas mais cedo como medida de precaução e tenham sido reabertas, disseram as Forças de Defesa de Israel

LEIA MAIS
A varíola do macaco pode ser um novo tipo de DST
Fechar a Agência Judaica prejudicaria os laços Israel-Rússia
Um dia estranho está chegando à América

Em resposta à prisão de Saadi, o grupo com sede em Gaza anunciou em comunicado que estava declarando estado de “alerta” e aumentando a “prontidão” de seus combatentes.

Na manhã de terça-feira, o IDF disse que ordenou o fechamento de várias rodovias principais, linhas de trem e pontos de observação ao longo da fronteira de Gaza, após um aumento na atividade de combatentes ligados à Jihad Islâmica que representava uma ameaça iminente e direta de um possível ataque”.

As ameaças iminentes incluíam possíveis disparos de mísseis antitanque, ataques de atiradores e foguetes.

À tarde, o IDF divulgou uma atualização sobre os fechamentos de estradas, dizendo que a Rota 232 entre Mefalsim e Sa’ad e as estradas de acesso para agricultores nas proximidades foram fechadas, mas a estrada entre Sa’ad e Kerem Shalom foi reaberta ao tráfego.

As rotas 242 e 2410 também foram fechadas, assim como a Rota 4 de Zikim Junction em direção à Erez Crossing e a Rota 34 entre Yad Mordechai Junction e Nir Am Junction.

Todas as cidades ao longo da fronteira têm rotas alternativas de saída, exceto Kerem Shalom e Kibutz Nahal Oz, que foram totalmente bloqueadas devido às restrições.

A IDF também fechou a passagem de Erez para pedestres que entram e saem de Gaza. O posto de fronteira é usado por milhares de trabalhadores palestinos todos os dias.

O primeiro-ministro Yair Lapid realizou uma avaliação situacional com o ministro da Defesa Benny Gantz, o chefe da IDF Aviv Kohavi, o chefe da agência de segurança Shin Bet, Ronen Bar, o conselheiro de segurança nacional Eyal Hulata, o primeiro-ministro alternativo Naftali Bennett e outros funcionários.

Gantz, que visitou a área de barreira de segurança da Cisjordânia com Kohavi na terça-feira, alertou contra tentativas de ataques contra israelenses. “Qualquer ameaça aos cidadãos de Israel será recebida com uma resposta poderosa e, é claro, estaremos preparados para qualquer cenário”, disse ele.

O Canal 12 também informou que as tropas israelenses também estavam em alerta máximo na Cisjordânia, em meio à possibilidade de a Jihad Islâmica tentar um ataque lá.

De acordo com o Shin Bet, Saadi, de 61 anos, foi preso e libertado por Israel sete vezes ao longo dos anos.

O Shin Bet disse que, nos últimos meses, Saadi “trabalhou ainda mais para restaurar as atividades da PIJ e estava por trás da criação de uma força militar significativa para a organização [no norte da Cisjordânia] em geral e em Jenin em particular”.

“Sua presença foi um fator significativo na radicalização dos agentes da organização em campo”, acrescentou o Shin Bet.

Jenin é amplamente vista como um foco de atividade terrorista. Homens armados e outros agressores por trás de vários ataques terroristas mortais no início deste ano vieram da cidade e de seu campo de refugiados.