Flurona: O que acontece quando você pega COVID-19 e gripe ao mesmo tempo?

flurona

Enquanto 2021 continuou a tendência do ano anterior, concentrando-se no COVID-19 e nas variantes do coronavírus, 2022 começou com um novo termo que agora entra no léxico da era pandêmica: Flurona.

O nome é basicamente o que parece ser, uma combinação da gripe e o coronavírus, com pessoas sendo infectadas pelos dois ao mesmo tempo.

Desde que uma mulher em Israel foi diagnosticada com ambos no início de janeiro, as pessoas em todo o mundo começaram a se preocupar com a flurona e o que ela poderia significar para o mundo que já está lutando contra o COVID-19 e todas as suas novas variantes. 

Mas o que é flurona e quão comum é? Quais são os sintomas de flurona e quantos casos de flurona existem?

Aqui está tudo o que você precisa saber.

O que é flurona?

Apesar do nome implicar uma combinação, flurona não é uma fusão literal de COVID-19 e a gripe que se fundiram para formar algum super patógeno que poderia significar a destruição de nossa espécie.

Em vez disso, em última análise, flurona é apenas o termo para quem tem COVID-19 e gripe ao mesmo tempo. Não é uma doença nova, não é nem mesmo um fenômeno novo.

Apesar dos relatos iniciais circularem pelo mundo quando foi confirmado que uma mulher estava com gripe e COVID-19, não se tratava de flurona figurativa do paciente zero. 

Não, flurona – embora não fosse chamada assim na época – já existe há pelo menos dois anos. Em novembro de 2021, o Atlantic relatou um caso ocorrido em fevereiro de 2020, nos primeiros dias da pandemia. 

Na época, um homem havia entrado em um centro médico no Queens e foi diagnosticado com gripe pela primeira vez. Ele foi testado novamente e no início de março, ele tinha testado positivo para COVID-19 também. 

Este homem, junto com sua esposa e dois filhos, foram os primeiros casos de flurona, bem no início da pandemia.

De acordo com o The Washington Post , casos de flurona já haviam sido detectados nos Estados Unidos, Brasil, Hungria, Filipinas e até mesmo em Israel novamente antes que este último relatório ajudasse a cunhar o termo.

De acordo com o membro do grupo consultivo técnico do Departamento de Saúde das Filipinas, Dr. Edsel Salvana, a primeira morte de COVID-19 fora da China no início de 2020 (que foi nas Filipinas) foi um caso de coinfecção, conforme relatado pelo ABS-CBN .Este paciente, de acordo com Salvana, era um cidadão chinês que tinha COVID-19, influenza e pneumonia por Streptococcus ao mesmo tempo.

A gripe (crédito: Wikicommons)

As pessoas começaram a ficar preocupadas com a disseminação simultânea de ambas as doenças, no que alguns especialistas chamaram de “twindemia”, embora, em vez de se tratar de uma nova doença, fosse sobre os países serem capazes de lidar com esse surto duplo.

Com os sistemas de saúde em todo o mundo sobrecarregados com o aumento de casos de COVID-19, o medo de também ter que lidar com a gripe era uma preocupação séria. Mas essa twindemia nunca aconteceu. Por quê? Isso não está claro, mas há muitos motivos possíveis. 

Entre os principais está o fato de que, devido aos bloqueios do COVID-19 e a todos usando máscaras, a temporada de gripe em si simplesmente não foi tão grave. Isso é apoiado por dados que mostram que na última temporada de gripe, os casos nos Estados Unidos foram significativamente mais baixos do que o normal, conforme observado pelo Atlântico .

Agora estamos ouvindo sobre isso novamente. Mas há outro motivo para preocupação agora. Devido à prevalência de novas variantes, como a variante Omicron e a variante recém-descoberta na França, o vírus é especialmente contagioso. Já foi demonstrado que o Omicron é mais transmissível do que algumas cepas anteriores, tornando os casos de coinfecções ainda mais possíveis agora.


Onde foi encontrada flurona?

Flurona não é novidade, então há outros casos. Desde o recente caso de grande visibilidade de uma mulher grávida não vacinada em Israel, o estado judeu encontrou outros casos de flurona, incluindo outra mulher grávida.

O Brasil também encontrou vários casos, assim como a Hungria, as Filipinas e os Estados Unidos. Descobriu-se que muitos casos são mais jovens, embora isso não seja muito surpreendente – especialmente em crianças.

“Em raras ocasiões, vi cinco vírus diferentes detectados na mesma criança. ”Dr. Juan Dumois, um Pediátrica de doenças infecciosas e médico no Hospital Johns Hopkins disse ABC News , explicando como incomum co-infecções são em crianças.

flurona

Quais são os sintomas da flurona? As vacinas podem protegê-lo da flurona?

Pegando gripe e COVID-19 ao mesmo tempo, os sintomas são exatamente esses. Existem outras semelhanças também. Tanto o novo coronavírus quanto a gripe se espalham de maneiras muito semelhantes, como por meio do sistema respiratório, de acordo com a Organização Mundial da Saúde ( OMS ). 

Os grupos de risco também são basicamente os mesmos, como profissionais de saúde da linha de frente, idosos, pessoas com doenças subjacentes e pessoas grávidas. Mas isso não significa que tudo seja exatamente igual. 

Algumas pessoas que contraem flurona apresentam sintomas piores do que outras e, em grande parte, a razão para isso é simples: vacinas.“Se você for vacinado, a doença é muito leve”, disse o diretor de ginecologia do Rabin Medical Center-Beilinson Campus, Arnon Vizhnitser, ao The Washington Post .

Tanto o COVID-19 quanto a gripe têm vacinas disponíveis e no caso do COVID-19, receber a injeção de reforço – é a melhor forma de limitar a gravidade da flurona. E como as duas doenças se propagam de maneira semelhante, a forma de prevenir sua propagação também é semelhante: Distanciamento social e uso de máscaras.

Além disso, apesar de não ser uma doença nova, existe a preocupação de ter as duas ao mesmo tempo – especialmente para certos grupos de risco. Isso ocorre porque os dois vírus que compõem a flurona atingem o sistema respiratório humano,

“Quando o sistema imunológico começa a combater um vírus no sistema respiratório dos pulmões, esse ataque causa uma reação inflamatória que resulta na produção de mais muco nos pulmões”, disse Dumois ao ABC News, o que pode levar a menos oxigênio no sangue e dificuldade em respirar.

Outros especialistas também disseram algo semelhante. Em setembro, o Dr. Adrian Burrowes, médico de medicina familiar e professor assistente de medicina familiar na Universidade da Flórida Central, alertou a CNN que a flurona poderia ser “catastrófica” para o sistema imunológico de uma pessoa, o que poderia levar a taxas mais altas de mortalidade.

Mas, conforme apontado pela OMS, medidas preventivas como vacinação, distanciamento social, uso de máscaras, lavagem das mãos, ventilação e prevenção de eventos de super propagação são formas ideais de segurança em meio aos dois surtos dessa twindemia. 

Leia Mais:

Nova variante do coronavírus ‘Deltacron’ descoberta em Chipre

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.