Cinco casos humanos de gripe aviária H5N6 relatados na China

Cinco casos humanos da cepa H5N6 da gripe aviária foram relatados na China nas últimas semanas, informou o Centro de Proteção à Saúde (CHP) do Departamento de Saúde de Hong Kong na quinta-feira. Dois dos pacientes morreram.

Quatro dos cinco casos confirmaram a exposição a aves, embora ainda não esteja claro como o quinto foi infectado, de acordo com o Departamento de Saúde. Todos os casos foram infectados em dezembro.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) informou na sexta-feira que todos os casos tinham histórico de exposição a aves antes da infecção e que nenhum de seus familiares havia desenvolvido sintomas. Não foram encontradas ligações epidemiológicas entre os cinco casos.

Além disso, entre 7 e 13 de janeiro, quatro novos casos de infecções humanas da cepa H9N2 da gripe aviária foram relatados na China. Todos os quatro estão em condições leves e já se recuperaram. Todos tinham histórico de exposição a aves e não foram encontradas ligações epidemiológicas entre os quatro casos. 24 casos de H9N2 foram relatados na China em 2021.

Um aumento no número de infecções humanas causadas pelo H5N6 foi relatado na China no ano passado.

Booking.com
 gripe aviária
Trabalhadores em equipamentos de proteção vistos em Moshav Givat Yoav, no norte de Israel, em 29 de dezembro de 2021, após um surto de gripe aviária. (crédito: MICHAEL GILADI/FLASH90)

Segundo a OMS, o aumento dos casos de H5N6 pode refletir a circulação contínua do vírus em aves e a vigilância reforçada devido à pandemia de COVID-19. A OMS acrescentou que a ameaça zoonótica permanece elevada devido à disseminação do vírus entre as aves, mas que o risco pandêmico geral associado à cepa da gripe aviária não mudou significativamente.

Anticorpos aumentam mas não o suficiente para prevenir a infecção por Omicron

O aumento das infecções humanas causadas pelo subtipo H5N6 da gripe aviária está causando preocupação entre os especialistas, que dizem que uma cepa anteriormente circulante parece ter mudado e pode ser mais infecciosa para as pessoas.

“O aumento de casos humanos na China este ano é preocupante. É um vírus que causa alta mortalidade”, disse à Reuters Thijs Kuiken, professor de patologia comparativa do Centro Médico da Universidade Erasmus, em Roterdã.

Receitas Para Secar em 30 Dias

Na sexta-feira, o Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA) anunciou que uma ave selvagem na Carolina do Sul estava infectada com a gripe aviária eurasiana H5 altamente patogênica, o primeiro caso dessa variante da gripe aviária encontrado nos EUA desde 2016.

A ave, uma peruca americana selvagem, foi encontrada no condado de Colleton, na Carolina do Sul. Outras variantes da gripe aviária foram detectadas nos EUA nos últimos anos.

O USDA acrescentou que os Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) dos EUA ainda consideram baixo o risco para o público em geral da variante. Nenhuma infecção humana da variante ocorreu nos EUA.

O USDA aconselhou as pessoas a minimizar o contato direto com aves selvagens e aconselhou os proprietários de aves a praticar boa biossegurança e manter suas aves isoladas das aves selvagens.

Asteroide mais forte do que uma bomba nuclear em direção à Terra no final de janeiro de 2022

Um grande número de surtos de gripe aviária foi relatado em toda a Europa, África e Ásia nas últimas semanas, principalmente devido ao subtipo H5N1, que vem da linhagem H5, de acordo com a Organização Mundial de Saúde Animal.

Mais de um milhão de aves foram infectadas com a variante em Israel nos últimos meses, embora o Ministério da Agricultura de Israel tenha declarado na sexta-feira que o surto está agora sob controle.

A OIE pediu aos países para aumentar a vigilância para surtos de HPAI, já que o vírus foi relatado em mais de 40 países desde julho.

Os subtipos H5N1, H5N3, H5N4, H5N5, H5N6 e H5N8 de HPAI estão circulando em aves e populações de aves em todo o mundo, despertando preocupação na OIE, que chamou isso de “variabilidade genética sem precedentes de subtipos … criando uma paisagem epidemiologicamente desafiadora”.

No início deste mês, a diretora geral da OIE, Monique Eloit, disse à Reuters que “desta vez a situação é mais difícil e mais arriscada porque vemos mais variantes surgirem, o que as torna mais difíceis de seguir”.

Os Milagres da Guerra dos seis Dias

“Eventualmente, o risco é que ele sofra uma mutação ou que se misture com um vírus da gripe humana que pode ser transmitido entre humanos e, de repente, assume uma nova dimensão”, acrescentou.

O Instituto Federal de Pesquisa em Saúde Animal da Alemanha, o Instituto Friedrich Loeffler, disse à Deutsche Presse-Agentur (DPA) alemã que a Europa está enfrentando sua “epidemia de gripe aviária mais forte de todos os tempos”.

O instituto acrescentou que “não há fim à vista” à medida que o vírus se espalha por todo o continente e pelo mundo, com novos casos relatados diariamente.

Fonte

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.