EUA preocupados com Rússia fabricando pretexto para guerra com a Ucrânia

guerra contra a Ucrânia
Um operador de lançador de granadas das forças armadas russas participa de exercícios de combate na semana passada na região de Rostov, na Rússia, perto da Ucrânia. (crédito: SERGEY PIVOVAROV/REUTERS)

Os Estados Unidos estão preocupados que a Rússia esteja se preparando para uma invasão da Ucrânia em breve, fabricando um pretexto para a guerra se a diplomacia não cumprir seus objetivos, disse a Casa Branca nesta sexta-feira.

As negociações entre os Estados Unidos, seus aliados europeus e a Rússia terminaram em um impasse esta semana, sem planos atuais de se reunir novamente sobre o envio de dezenas de milhares de soldados pela Rússia ao longo da fronteira com a Ucrânia. Um ataque cibernético contra a Ucrânia inflamou ainda mais as tensões.

Um porta-voz do Conselho de Segurança Nacional da Casa Branca disse que ainda não está claro quem foi o responsável pelo ataque cibernético, mas que o presidente Joe Biden foi informado sobre isso.

Assista Os Milagres da Guerra dos seis Dias

“Estamos em contato com os ucranianos e oferecemos nosso apoio enquanto a Ucrânia investiga o impacto e se recupera dos incidentes. Não temos uma atribuição neste momento”, disse o porta-voz.

Biden alertou sobre graves consequências econômicas para a Rússia se o presidente russo, Vladimir Putin, lançar uma invasão a Ucrânia. A Rússia nega os planos de atacar a Ucrânia e exigiu que a Otan pare sua expansão para o leste e concorde com garantias de segurança juridicamente vinculativas, exigências que os Estados Unidos e a Otan rejeitaram.

A secretária de imprensa da Casa Branca, Jen Psaki, disse a repórteres que os Estados Unidos estão preocupados com o fato de o governo russo “estar se preparando para uma invasão à Ucrânia que pode resultar em violações generalizadas dos direitos humanos e crimes de guerra, caso a diplomacia não cumpra seus objetivos”.

“Como parte de seus planos, a Rússia está preparando as bases para ter a opção de fabricar um pretexto para invasão, inclusive por meio de atividades de sabotagem e operações de informação, acusando a Ucrânia de preparar um ataque iminente contra as forças russas no leste da Ucrânia”, disse Psaki.

Os militares russos “planejam iniciar essas atividades várias semanas antes de uma invasão militar, que pode começar entre meados de janeiro e meados de fevereiro”, disse ela.

Asteroide mais forte do que uma bomba nuclear em direção à Terra no final de janeiro de 2022

Psaki disse que cabe a Putin determinar o caminho a seguir, e que espera uma resposta dura dos EUA caso ele lance uma invasão.

“Se eles decidirem que querem se envolver em conversas diplomáticas, estamos muito abertos a isso e esperamos que o façam. Mas, em última análise, é uma escolha que eles precisam fazer”, disse ela.

‘Operação FALSA-BANDEIRA’

Uma autoridade dos EUA disse que os Estados Unidos têm informações que indicam que a Rússia já posicionou um grupo de agentes para realizar “uma operação de bandeira falsa” no leste da Ucrânia.

“Os agentes são treinados em guerra urbana e no uso de explosivos para realizar atos de sabotagem contra as próprias forças russas”, disse o funcionário, que falou sob condição de anonimato.

O funcionário também disse que as indicações são de que “atores de influência russa já estão começando a fabricar provocações ucranianas no Estado e nas mídias sociais para justificar uma intervenção russa e semear divisões na Ucrânia”.

O porta-voz do Pentágono, John Kirby, disse que se a história fosse um guia, seria difícil ver esse tipo de atividade sem o conhecimento de altos líderes russos.

Questionado se os militares dos EUA continuariam a apoiar as forças ucranianas com assistência de segurança no caso de uma invasão russa, Kirby disse: “Temos e continuaremos a fornecer assistência de segurança à Ucrânia para ajudá-los a se defender melhor”.

Fonte

Um comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *