Por que a invasão da Ucrânia pela Rússia disparou o alarme de guerra nuclear?

guerra nuclear

Líderes mundiais alertaram que a invasão russa da Ucrânia poderia desencadear uma guerra nuclear, levantando a questão de quão perto o mundo está agora de tal catástrofe.

“Nossa imaginação parece cada vez mais concentrada na representação de uma catástrofe final que nos extinguirá”, disse o Papa Francisco esta semana em Roma.

“O conflito nuclear, antes impensável, agora está de volta ao reino das possibilidades”, disse o secretário-geral da ONU, Antonio Guterres , a repórteres em Nova York.

O presidente russo, Vladimir Putin, apresentou a perspectiva colocando as forças nucleares de seu país em alerta máximo no início da guerra no mês passado, alertando o Ocidente sobre “consequências catastróficas” se intervirem em sua “operação militar especial” na Ucrânia.

Ajude na manutenção do site doando qualquer quantia para o PIX – [email protected]

Booking.com

Embora o presidente dos EUA, Joe Biden, tenha dito que uma guerra nuclear é improvável, temores de que Putin possa realmente ordenar um ataque nuclear contra um país ocidental moderou as respostas ocidentais ao conflito.

Isso inclui negar à Ucrânia uma zona de exclusão aérea exigida pelo presidente Volodymyr Zelensky em seu discurso ao Congresso na quarta-feira.

Não abandone aliados por promessas de terroristas

A Ucrânia renunciou ao seu arsenal de armas nucleares da era soviética em 1994. Apenas o Kremlin ou outras potências nucleares como a França, o Reino Unido e os Estados Unidos têm a capacidade de escalar a guerra a um nível nuclear.

William Alberque, diretor de Estratégia, Tecnologia e Controle de Armas do Instituto Internacional de Estudos Estratégicos (IISS), com sede em Londres, descartou a possibilidade de o Ocidente agir primeiro com armas nucleares.

“Não vejo que a introdução de armas nucleares pelo Ocidente seja possível nesta fase… Para que as armas nucleares sejam usadas primeiro nesta crise, o único caminho possível é a Rússia introduzi-las”, disse Alberque.

Tal cenário é mais provável se uma escalada acidental no campo de batalha trouxer a OTAN. Nessa situação, uma das partes, provavelmente a Rússia, poderia cruzar a linha vermelha nuclear. Isso pode incluir um incidente ao longo da fronteira ucraniana-polonesa ou se houver uma zona de exclusão aérea imposta pela Otan, disse ele.

Pavel Podvig, pesquisador sênior do Instituto de Pesquisa do Desarmamento da ONU, com sede em Genebra, disse que a chance de a Rússia usar armas nucleares é muito baixa enquanto o conflito estiver confinado às suas forças e à Ucrânia.

“É muito difícil imaginar que a Rússia começaria a usar armas nucleares… eles não têm “utilidade militar” nesta situação, explicou Podvig.

A própria doutrina militar de Moscou limita o uso de armas nucleares a casos de agressão contra a Rússia e não há guerra em território russo, disse Podvig. Ele observou, no entanto, que o Kremlin poderia ter uma ampla interpretação do que tal agressão poderia constituir.

As chances de um ataque nuclear aumentam, “se houver um conflito direto que envolva a Organização do Tratado do Atlântico Norte e ou os Estados Unidos”, disse Podvig.

Os 30 membros da OTAN incluem potências nucleares como os EUA, França e Grã-Bretanha, bem como países que fazem fronteira com a Ucrânia, como a Polônia.

Putin fez da ameaça de uma troca nuclear entre a OTAN e a Rússia parte de sua estratégia desde o início, explicaram os especialistas.

A Rússia está usando explicitamente suas armas nucleares para apoiar sua agressão contra a Ucrânia, disse Podvig. O fato de ter essas armas dificultou o apoio militar ocidental à Ucrânia, disse ele. “

“Este é o pior de todos os mundos. Vemos que as armas nucleares possibilitam a agressão por um lado. Por outro lado, vemos como as armas nucleares dos EUA e da OTAN não protegem seus aliados”, como a Ucrânia, disse Podvig.

Mesmo os membros da OTAN na fronteira com a Ucrânia estão preocupados com a possibilidade de a Aliança não os apoiar, acrescentou Podvig.

Alberque disse que Putin é o tipo de líder que usa cenários de alto risco, como a ameaça de uma guerra nuclear, a seu favor.

Putin “se deleita em utilizar riscos para tentar controlar o comportamento. Ele tem um apetite por risco muito maior do que a maioria dos líderes ocidentais. Ele está disposto a fazer e dizer coisas” que outros não, disse Alberque.

Se o público ocidental teme uma guerra nuclear ou uma intervenção militar, isso lhe dá o máximo de influência, afirmou Alberque.

É o chamado “controle reflexivo. Se você tem todas as opções na mesa”, então o pensamento é: “como posso convencê-lo a tirar as opções que mais me machucam da mesa”.

No entanto, Alberque disse que Putin “sabe que cruzar o limiar nuclear significa colocar o regime em risco, o que é algo que ele não quer”.

O perigo vem, alertou Alberque, da perspectiva de uma derrota militar russa na Ucrânia. Isso aumenta a chance de que Putin possa dar um passo limitado na direção do intercâmbio nuclear por meio do aumento do nível de medo, disse Alberque.

Isso pode incluir a detonação de um dispositivo nuclear na atmosfera, talvez sobre o Mar Negro. Não mataria pessoas, mas enfatizaria a realidade de uma ameaça nuclear, explicou Alberque.

John Erath, Diretor Sênior de Políticas do Centro para Controle de Armas e Não-Proliferação, com sede em Washington, disse que Putin já estava se envolvendo em um jogo de armamento nuclear, tornado mais perigoso por suas perdas até o momento.

“Putin não vai fazer coisas que provoquem uma guerra nuclear, mas ao mesmo tempo ele sabe que as outras pessoas envolvidas são atores racionais e querem evitar uma guerra nuclear, então ele vai tentar apertar todos os botões que puder.” disse Erath.

Mas o “plano de guerra russo não saiu de acordo com o roteiro. Putin esperava que ele pudesse bater na porta da Ucrânia e a casa cairia.”

Ele imaginou que substituiria facilmente o governo ucraniano por um fantoche que servia aos interesses de Moscou, disse Erath.

As perdas levaram a um “cálculo perigoso. Você tem a questão da mentalidade de custos irrecuperáveis, onde todos esses problemas, despesas e sangue foram colocados na Ucrânia” sem resultados, aumentando assim a possibilidade de medidas extremas antes consideradas impensáveis, disse ele.

“Sempre que há uma potência nuclear envolvida em um conflito, o perigo existe e quanto mais potências nucleares, mais armas nucleares, maior é o perigo”, disse ele.

Mas o perigo nuclear não se limita à guerra russo-ucraniana, alertam os especialistas. Mesmo que o conflito termine sem uma troca nuclear, as lições aprendidas com a guerra podem desencadear uma nova corrida armamentista e levar a Rússia a aumentar, em vez de diminuir, sua dependência de armas nucleares.

Hans M. Kristensen, que dirige o Projeto de Informação Nuclear na Federação de Cientistas Americanos, com sede em Washington, disse que uma perda russa poderia reforçar a percepção de Moscou sobre o valor de ter armas nucleares táticas.

“Poderíamos ver a Rússia colocar mais ênfase no papel de suas armas nucleares se perder esta guerra”, disse ele.

“Se a Ucrânia pode deter todo o exército russo, a Rússia tem uma capacidade real de vencer uma guerra convencional contra a OTAN?”, perguntou Kristensen.

A OTAN também pode decidir mudar a maneira como opera e implantar armas nucleares na Europa”, disse Kristensen.

Ele disse estar particularmente preocupado com a adesão contínua da Rússia ao Novo Tratado de Redução de Armas Estratégicas (Novo START) e as possibilidades de sua renovação em 2026.

O novo START é o único tratado de controle de armas que resta e, se expirar em 2026, “não haverá limite para quaisquer formas de armas nucleares pela primeira vez desde a década de 1970”, disse Kristensen.

Erath disse que um dos benefícios do START é que ele exigiu transparência nos programas de armas de seus signatários, Rússia e EUA, um movimento que mantém uma tampa na corrida armamentista.

Todos os quatro especialistas disseram que, embora a guerra tenha destacado os perigos da escalada nuclear, eles temem que o argumento pelo controle de armas seja agora mais difícil de ser feito.  

Erath disse que “a Rússia se sente confiante de que pode fazer isso com seu vizinho porque tem armas nucleares, então o que isso me diz é que é um argumento convincente sobre por que não deveria haver armas nucleares”.

“Uma das baixas da guerra não deveria ser o processo de controle de armas”, disse Erath.

“Isso não será fácil. Putin tornou muito mais difícil agora”, acrescentou.

Podvig disse estar preocupado que a ideia de armas nucleares tenha se tornado mais normalizada. Mas “armas nucleares não protegem realmente você. Eles permitem a agressão. As armas nucleares são o problema aqui”, disse ele.

Ainda assim, Podvig disse: “Definitivamente veremos o impulso por mais armas nucleares. Mas também espero que vejamos mais pessoas questionando a utilidade, a moralidade e a criminalidade das armas nucleares”.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.