Israel aumenta restrições nos setores público e privado para combater o coronavírus

corona

Israel ordenou novas restrições para conter o coronavírus, o que implica em uma redução forçada da atividade trabalhista nos setores público e privado, anunciou o primeiro ministro interino Benjamin Netanyahu em entrevista coletiva ontem 16/3/2020.

As medidas, que estarão em vigor principalmente por cinco semanas, são as seguintes:

  • As empresas privadas devem reduzir os funcionários em seus escritórios em 70%. As empresas com até dez trabalhadores poderão continuar normalmente se tomarem as precauções recomendadas.
  • O setor público manterá apenas serviços básicos e operará de acordo com “medidas de emergência”.
  • Controle digital dos infectados. Essa medida – criticada pelas violações de privacidade que envolvem o uso de métodos de geolocalização por telefone típicos da luta contra o terrorismo. Será adotado em caráter de emergência por um mês, sem a necessária aprovação parlamentar.

Israel tomou medidas rigorosas nas últimas semanas para impedir a propagação do COVID-19 – que registra 304 infectados -, o que causou uma parada parcial na vida cotidiana e econômica dos seus cidadãos.

Estas são algumas das medidas já tomadas:

  • Bares, restaurantes, shopping centers, hotéis e outras lojas não essenciais estão fechados. Supermercados, farmácias, hospitais ou indústrias de produção básica continuam em operação.
  • Escolas, universidades, creches ou centros de educação especial permanecem fechados. A atividade educacional continua praticamente tanto quanto possível online.
  • Competições e eventos esportivos cancelados.
  • Reuniões públicas de mais de dez pessoas são proibidas. Recomenda-se manter uma distância de dois metros como precaução.
  • Fechamento do país para estrangeiros não residentes.
  • Qualquer cidadão israelense ou estrangeiro residente no país que chegue de qualquer lugar do mundo deve ficar em quarentena por catorze dias.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.