Israel está se aproximando de 400.000 casos de COVID-19 desde o início da pandemia

2:30 horas antes do início do terceiro lockdown nacional de Israel, às 17h (horário israelense) deste domingo, o Ministério da Saúde divulgou dados mostrando que a taxa positiva de testes de coronavírus de Israel ainda está acima de 4%.

No sábado, 2.630 israelenses testaram positivo para coronavírus, um número relativamente baixo devido ao pequeno número de testes realizados no Shabat.

israel

Nos últimos sete dias, mais de 540 mil testes foram realizados, com uma taxa média de positividade de 4,3%. O número total de pessoas infectadas pelo vírus em Israel chegou a 399.642

Leia mais:

Há 1.054 pacientes com COVID-19 hospitalizados em todo o país, com 584 em estado crítico, um aumento de 91 pacientes desde a segunda-feira passada. Há também 133 pessoas conectadas a respiradores artificiais.

Desde o início da pandemia, 3.210 pacientes com COVID-19 morreram em Israel, 112 deles durante a última semana. Em 21 de agosto, após quase meio ano da pandemia, Israel teve 100 mil pessoas infectadas pelo vírus, ultrapassou a marca de 200 mil um mês e meio depois, em 23 de setembro, e em 15 de outubro, o país atingiu 300 mil infecções.

No domingo, quase dois meses e meio depois, Israel cruzará a marca de 400 mil infectados e está no caminho certo para chegar a meio milhão de infecções antes do final de janeiro.

Atualmente, existem 35.525 pacientes ativos com coronavírus em Israel, e quase um em cada cinco deles é residente de Jerusalém. A capital tem 7.005 pacientes ativos; Bnei Brak tem 1.351; Tel Aviv tem 1.177 e Haifa 1.078. Apenas três cidades em Israel permanecem “verdes”, o que significa que elas têm um baixo número de infecções: Dimona, Nesher e Eilat.

Enquanto isso, o ministro da Saúde, Yuli Edelstein, disse na manhã de domingo que até agora 280 mil pessoas receberam a primeira dose da vacina contra o coronavírus.

O primeiro-ministro Benjamin Netanyahu anunciou no sábado uma campanha de vacinação “sem precedentes” contra a COVID-19, com a qual ele quer imunizar 25% da população israelense até o final de janeiro

“Durante o fim de semana, disse aos líderes dos laboratórios para nos dar as vacinas, já que nossa meta é vacinar 150 mil pessoas todos os dias a partir da próxima semana, o que representará um recorde mundial”, disse Netanyahu em um comunicado.

Para realizar esta ambiciosa campanha de vacinação, o Estado de Israel precisará receber 14 milhões de doses encomendados dos laboratórios americanos Pfizer e Moderna.

Cerca de 150 mil por dia durante 30 dias representam 4,5 milhões de doses fornecidas, com as quais 2,25 milhões de pessoas seriam vacinadas, já que para imunizar duas injeções são necessárias em três semanas de intervalo. Isso representaria 25% da população israelense, lembrou Netanyahu. “Uma vez que o tenhamos feito, poderemos sair do coronavírus em 30 dias e reativar a economia”, disse o líder do Likud, que foi o primeiro israelense a se vacinar em 19 de dezembro.

Clique aqui e ajude a manter nosso site no ar.

Inscreva-se em nosso canal no YOUTUBE e fique por dentro de tudo que acontece em Israel!

David Elmescany

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Next Post

O Irã diz "Israel procura semear o caos antes da saída de Trump"

seg dez 28 , 2020
Depois que um relatório revelou que um submarino israelense havia entrado no Canal de Suez, Teerã afirmou que responderia com força a qualquer ameaça no Golfo Pérsico e emitiu avisos aos países árabes que normalizaram as relações com Israel. O Irã alertou no domingo que não hesitará em reagir a […]