Hamas pede escalada de violência hoje no Monte do Templo

monte do templo

O Hamas convocou as “massas” palestinas a viajar para o Monte do Templo neste domingo para “frustrar os planos malignos da ocupação”, disse o porta-voz do Hamas , Hazem Qassem, em comunicado publicado no sábado.

Domingo é o Dia Nakba e Pesach Sheni (Segunda Páscoa), onde os judeus nos tempos antigos sacrificavam o cordeiro pascal se não pudessem na data usual.

A “Equipe das Organizações do Templo” postou um panfleto no Facebook na terça-feira convidando os judeus a visitar o local no domingo, a fim de “promover os mandamentos [religiosos] associados ao Templo”.

“Repetir o chamado para atacar Al-Aqsa não conseguirá mudar seu [caráter] islâmico e nosso povo o protegerá fortemente”, começou o comunicado do Hamas.

“Os chamados dos (grupos do Templo Sionista) extremistas para invadir a Mesquita de Al-Aqsa hoje, domingo, dia da comemoração a Nakba, e a permissão das autoridades de ocupação para fazê-lo, é uma escalada perigosa e uma provocação aos sentimentos de nossos povo e nossa nação, e leva a um confronto que a ocupação sionista terá todas as consequências.

Booking.com

Os arqueólogos podem encontrar a Arca da Aliança?

“As incursões recorrentes na mesquita de Al-Aqsa não passam de tentativas desesperadas que não conseguirão impor um fato consumado e mudar os fatos da história de que a mesquita de Al-Aqsa era e continuará sendo palestina, árabe e islâmica”, continuou o comunicado.

“Pedimos às massas de nosso povo em Jerusalém, na Cisjordânia que viajem para a abençoada mesquita de Al-Aqsa para frustrar os planos malignos da ocupação”, concluiu.

Embora tranquilo nos últimos dias, o Monte do Templo foi o foco de confrontos violentos entre palestinos e forças de segurança israelenses durante o mês do Ramadã, que terminou em 1º de maio.

No início do sábado, um terrorista palestino chamado Walid al-Sharif morreu após ser evacuado para o Centro Médico da Universidade Hadassah em Jerusalém com uma fratura no crânio e hemorragia cerebral grave depois de entrar em confronto com a polícia israelense.

Enquanto a Polícia de Israel disse que ele havia caído e batido com a cabeça depois de atirar pedras contra os soldados, os palestinos dizem que ele foi atingido na cabeça por uma bala de esponja.

A polícia exigiu uma autópsia do corpo, mas a família recusou, segundo o advogado Muhammad Mahmoud, do Centro de Informações Wadi Hilweh.

Somente em Israel algo assim acontece, terrorista tenta matar soldados e ainda recebe tratamento em Israel…

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.