A varíola do macaco pode ser um novo tipo de DST

novo tipo de DST

A propagação da varíola em todo o mundo pode marcar o início de uma nova doença sexualmente transmissível, embora alguns especialistas médicos digam que é muito cedo para designar oficialmente o vírus como tal.


A Organização Mundial da Saúde (OMS) declarou no sábado o surto uma emergência de saúde global e observou que agora existem mais de 16.000 casos confirmados em 75 países, além de cinco mortes relacionadas ao vírus. Observou que a maioria dos casos se concentra entre homens que fazem sexo com homens, especialmente aqueles com múltiplos parceiros sexuais.

A designação da OMS significa que o organismo mundial de saúde vê o surto como uma ameaça que requer uma resposta internacional coordenada para evitar que o vírus se enraíze.

Historicamente, a varíola dos macacos se espalhou em pequenos números em partes remotas da África Ocidental e Central, onde os animais carregam o vírus. O surto atual é visto pelas autoridades de saúde como incomum por causa de sua disseminação em países onde o vírus normalmente não é encontrado.

A Europa é atualmente o epicentro global do surto, tendo relatado mais de 80% dos casos confirmados em todo o mundo. Nos EUA, cerca de 2.500 infecções foram confirmadas em 44 estados.

O Dr. Roy Zucker, diretor do Centro Médico Tel Aviv Sourasky – serviços de saúde LGBTQ do Hospital Ichilov e médico do Clalit Health Services, disse que se a varíola dos macacos pode ou não ser designada como uma DST é uma “grande questão”.

“Sabemos por dados anteriores que o vírus pode se espalhar estando na presença de alguém que está infectado por um longo tempo – digamos por três horas a uma distância de dois metros ou mais, ou simplesmente entrando em contato físico com eles. ” Zucker disse à The Media Line. “Mas o que estamos vendo em todo o mundo e em Israel é que a maioria dos pacientes foi infectada por meio de atividade sexual. A OMS também disse o mesmo, que parece que esta doença é transmitida sexualmente e então podemos começar a nos referir a ela como outra DST”.

No entanto, Zucker acrescentou que não é totalmente certo que a varíola seja classificada como uma nova DST porque, embora menos comum, também pode ser transmitida por contato pele a pele em situações não sexuais.

Monkeypox é uma doença viral cujos sintomas geralmente incluem febre, erupção cutânea e inchaço dos gânglios linfáticos. A fase mais infecciosa da doença é considerada quando a erupção se desenvolve.

Zucker recomendou que aqueles que acreditam ter entrado em contato com alguém infectado, especialmente durante a atividade sexual, sejam examinados imediatamente. Ele disse que as pessoas devem estar atentas a quaisquer lesões de pele.

“Para aqueles que praticam relações sexuais, é melhor fazê-lo em locais onde a visibilidade é boa do que em locais escuros”, disse ele. “Também sabemos que o uso de preservativo diminui o risco de infecção, especialmente de infecções retais que são muito dolorosas. As pessoas precisam estar atentas a esse vírus e ir checar se têm algum tipo de lesão na pele.”

Em alguns pacientes, os sintomas da varíola podem ser muito fáceis de passar despercebidos e aparecer como apenas uma única bolha. Por causa disso, Zucker disse que as autoridades de saúde acreditam que o vírus foi severamente subdiagnosticado e que os verdadeiros números de casos são muito maiores do que as contagens oficiais.

“Este é o maior surto conhecido do vírus no mundo ocidental desde que aprendemos sobre ele no início da década de 1970”, disse ele. “Neste momento, os casos são encontrados principalmente entre homens que fazem sexo com outros homens, mas é uma doença que pode ser facilmente transmitida para outras populações. Designá-lo como uma emergência de saúde global permite que os países aumentem os recursos e a conscientização dedicados ao combate à disseminação”.

A questão de saber se a varíola dos macacos pode se tornar arraigada como uma nova DST continua a provocar debate entre as autoridades de saúde.

LEIA MAIS
Fechar a Agência Judaica prejudicaria os laços Israel-Rússia
Um dia estranho está chegando à América
Engenheiro do Google demitido após alegar que a AI se tornou senciente

Um estudo revisado por pares publicado na semana passada no New England Journal of Medicine mostrou que o surto está sendo impulsionado principalmente pelo sexo entre homens. A pesquisa mostrou que 95% dos casos confirmados provavelmente foram transmitidos por contato sexual próximo.

No entanto, alguns médicos são reticentes em chamar o vírus de DST.

“Não tenho certeza se é uma doença sexualmente transmissível ou uma doença que é transmitida durante a atividade sexual, que são duas coisas completamente diferentes”, Dr. Itzchak Levy, diretor do Centro de HIV/AIDS e supervisor do Instituto de Doenças Infecciosas da Sheba Medical Center, disse à The Media Line.

“Se é o primeiro, significa que é transmitido quando há penetração e coisas assim, mas se é algo que é transmitido durante a atividade sexual, significa que está sendo transmitido pelo contato pele a pele”, disse Levy. “Os pesquisadores e a OMS ainda estão divididos sobre isso.”

Até agora, Levy tratou 25 pacientes com varíola, todos homens. A grande maioria dos infectados eram membros da comunidade LGBTQ.

“Mas isso é completamente aleatório porque na África é uma doença que infecta homens e mulheres e tenho certeza de que pode se espalhar para outros grupos populacionais”, disse Levy.

Até agora, 105 homens foram diagnosticados com a doença em Israel.

Após a declaração mais recente da OMS sobre a varíola dos macacos ser uma emergência de saúde global, o Ministério da Saúde de Israel anunciou que está atualmente no processo de localizar pacientes e tratá-los para evitar novas infecções.

Israel comprou 10.000 vacinas contra a varíola dos macacos, 5.000 das quais devem chegar ao país esta semana. Assim que as vacinas chegarem, os HMOs começarão a vacinar os grupos de risco.