O ano em que a humanidade derrotou o vírus

Previsões nefastas no início deste ano previram 70 milhões de mortes e bilhões de infectados com COVID-19, enquanto economias ao redor do mundo deveriam entrar em colapso e as notícias falsas prevalecerem sobre a ciência. No entanto, à medida que 2020 chega ao fim, uma realidade diferente e otimista surgiu.

Estamos nos aproximando do fim do ano mais difícil que a humanidade teve que enfrentar desde o fim da Segunda Guerra Mundial, com uma pandemia que já ceifou a vida de 1,7 milhões de pessoas e infectou milhões a mais, em alguns casos seriamente.

O ano que termina atingiu duramente a economia mundial e milhões foram forçados a aumentar as listas de desemprego. Enquanto as crianças se sentavam coladas a telas de computador, o coronavírus mantinha familiares, amigos e colegas de trabalho separados.

Ano
Uma mulher é vacinada em Tel Aviv.

A pandemia também suspendeu a vida cultural, aumentou a violência doméstica, levou os profissionais de saúde e as instituições médicas e de saúde mental aos seus limites, destruiu a indústria do turismo e forçou os governos a incorrer em grandes déficits fiscais.

Mas nem tudo estava completamente ruim durante 2020. Em fevereiro, especialistas em saúde previram que 70 milhões de pessoas morreriam de COVID-19 antes do final do ano, e esperava-se que bilhões mais adoecessem.

Toda a comunidade científica tinha certeza de que uma vacina não estaria disponível antes de 2022. As previsões econômicas também eram terríveis. A crise de 1930, nos disseram, pareceria uma caminhada no parque em comparação com a devastação econômica esperada na esteira da pandemia, uma devastação que duraria pelo menos até o final da década.

ano

Governos e bancos centrais pareciam relutantes em fornecer crédito a empresas vítimas da crise, com pouca consideração pela situação fiscal. Mas essas profecias fatais não se tornaram realidade, e olhar para trás em 2020 só pode nos levar a uma conclusão: a humanidade deu um passo à frente e mostrou ao coronavírus do que somos feitos.

Com tanto perigo à espreita sobre nossas cabeças, os humanos mostraram que podemos nos adaptar da noite para o dia. Estilos de vida podem mudar, prazeres podem ser adiados e até mesmo coisas que antes eram vistas como uma necessidade vital podem ser suspensas por um tempo.

Leia mais:

O mais importante é que tudo possa acontecer rapidamente, mantendo a unidade social e a um baixo custo para a democracia. À medida que 2020 chega ao fim, a democracia liberal sobreviveu e o extremismo está na defensiva.

ano
Uma polícia aplica as diretrizes de saúde em Jerusalém.

Em Israel, as terríveis previsões também estavam erradas. Apenas 0,035% da população morreu de complicações derivadas da COVID-19, e a maioria eram pacientes com mais de 85 anos de idade.

Embora o governo não tenha aprovado um orçamento, os programas de ajuda financeira foram estendidos ao longo do ano e a renda nacional foi reduzida apenas entre 2,5% e 3,5%.

O superávit cambial continuou a crescer e o déficit permaneceu gerenciável enquanto o siclo manteve sua força e Israel conseguiu evitar a inflação.

Especialistas internacionais veem o manejo da pandemia por Israel, do ponto de vista médico e econômico, como um sucesso. E com as vacinas já escorrendo pelas veias de algumas pessoas, o fim da crise está ao nosso alcance.

Diante de toda desinformação e fake news, a ciência, a verdade, a responsabilidade moral e o Estado de Direito prevaleceram.

Este ano poderia ter sido muito pior de qualquer ponto de vista. E isso certamente é motivo apenas para otimismo.

Fonte:

Clique aqui e ajude a manter nosso site no ar.

Inscreva-se em nosso canal no YOUTUBE e fique por dentro de tudo que acontece em Israel!

Viva Israel

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Next Post

Israel planeja receber 250 mil imigrantes nos próximos cinco anos

ter dez 29 , 2020
Apesar da pandemia de coronavírus ter afetado quase tudo durante a maior parte do ano, Israel conseguiu receber cerca de 20 mil novos imigrantes em 2020, segundo dados da Agência Judaica que foram publicados recentemente. O número representa uma diminuição de 59% em comparação com 2019, quando cerca de 34.000 […]