O Irã ameaçou esmagar e destruir Tel Aviv e Haifa

O comandante das forças terrestres do exército iraniano afirma que “os territórios ocupados por Israel serão libertados em menos de 25 anos” e alerta que “qualquer erro cometido pelo inimigo” custará caro ao Estado judeu.

O Irã ameaçou esmagar e destruir Tel Aviv e Haifa
O líder supremo do Irã, Ali Khamenei. (EPA )


O Irã ameaçou “esmagar e destruir Tel Aviv e Haifa”, em meio a preocupações de que está planejando ataques a cidadãos israelenses e alvos no exterior, informou a agência de notícias estatal iraniana na terça-feira.

“Por ordem do líder supremo da Revolução islâmica, vamos arrasar Tel Aviv e Haifa por qualquer erro cometido pelo inimigo”, disse o comandante das Forças Terrestres do Exército Iraniano, Kiumars Heydari, à agência de notícias Fars.

Heydari também teria apontado que “os territórios ocupados por Israel serão libertados em menos de 25 anos”. Ele acrescentou que o alcance dos drones e mísseis da República Islâmica aumentou, indicando que eles podem representar uma ameaça a Israel.

Enquanto isso, o primeiro-ministro Naftali Bennett disse na terça-feira durante uma reunião do Comitê de Relações Exteriores e Defesa do Knesset que “os dias de imunidade acabaram, o Irã ataca Israel e espalha o terrorismo por meio de seus representantes regionais, mas ele permaneceu ileso até agora e isso acabou”.

LEIA MAIS
Coreia do Sul e EUA lançam oito mísseis em resposta aos lançamentos da Coreia do Norte
Polícia entra em confronto com palestinos no Monte do Templo durante a visita de judeus
Israel nega ter matado suposto espião coronel do IRGC que caiu do telhado no Irã

“Estamos agindo em todos os lugares, a qualquer momento, e continuaremos a fazê-lo”, acrescentou o primeiro-ministro. Bennett também disse que, nos últimos anos, “o Irã cruzou uma série de linhas vermelhas, especialmente no enriquecimento de urânio para o nível de 60%, sem uma resposta. E o mundo continua calado. Israel não pode e não aceitará tal situação”. .

Bennett acrescentou que disse ao diretor-geral da Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA), Rafael Grossi, durante sua reunião na sexta-feira, que “estamos agindo e continuaremos reservando a liberdade de agir contra o programa nuclear iraniano que possa ser necessário, a qualquer momento, com ou sem acordo. Nada vai amarrar nossas mãos. Não estamos apenas dizendo isso, também estamos agindo.”