Os arqueólogos podem encontrar a Arca da Aliança?

arca da aliança

“Era uma cidade que se espalhava cada vez mais fora de seus muros da Cidade Velha e uma cidade que tinha uma população multi-religiosa. Uma cidade com tantas divisões dentro das religiões quanto entre elas. Uma cidade sagrada, mas não inteiramente piedosa”, escreve Graham Addison sobre Jerusalém no início de 1900, em seu relato da tentativa da Expedição Parker de descobrir a Arca da Aliança em Os Caçadores da Arca Oculta. 

Foi nesses ambientes tensos, ocasionalmente corruptos e em constante mudança que um grupo peculiar subornou secretamente uma expedição para descobrir a Arca e liberar uma vasta cadeia de repercussões. Embora a expedição tenha durado apenas três anos, Addison lança luz sobre seu legado duradouro e os fatores que levaram a expedição a acreditar que conseguiria descobrir a relíquia sagrada de 3.000 anos. 

A última localização conhecida da Arca da Aliança foi no Santo dos Santos do Primeiro Templo. No entanto, após a destruição do Templo em 586 aC, ela desapareceu.

O estudioso finlandês Valter Henrik Juvelius afirmou ter decodificado cifras numéricas na Bíblia indicando que a Arca estava escondida na interseção dos túneis de água e do canal que uma vez carregava sangue da oferta de sacrifício no Templo.

Juvelius convenceu com sucesso vários aristocratas britânicos, entre eles Montague Parker, a embarcar em uma busca arqueológica para localizar a Arca . Muitos deles, observa Addison, estavam entediados e “tentando fazer algo de suas vidas”. Para eles, a expedição foi “uma aventura exótica para preencher o tempo. Tinha elementos de risco e perigo. Foi diferente.”

Booking.com

Pesquisadores decifram a inscrição hebraica mais antiga conhecida

Os membros da expedição não eram arqueólogos e não se preocuparam em pesquisar escavações anteriores na área ou registrar suas próprias escavações. Além disso, as evidências indicam que eles subornaram as autoridades otomanas para permitir as escavações; o embaixador britânico em Constantinopla escreveu: “Suspeito que muitas pessoas engordaram com o negócio”.

No entanto, os membros da expedição continuaram a cavar do que hoje é a Cidade de Davi em túneis e poços de água da antiga Jerusalém, drenando completamente o túnel de Siloé, desviando a água da nascente de Giom e outras passagens e procurando uma entrada secreta anteriormente submersa. Eles não encontraram nada, exceto algumas cerâmicas, um pedaço de uma coluna jônica, lâmpadas antigas, projéteis e moedas romanas e um banheiro antigo. 

Embora fosse proibido cavar dentro do Monte do Templo, Parker finalmente conseguiu subornar as autoridades para permitir que a expedição o fizesse.

O Livro sobre as expedições

Os membros da expedição cavaram por nove noites antes de serem descobertos, assim como as hostilidades entre as religiões em Jerusalém estavam em alta devido à Páscoa e as celebrações muçulmanas de Nabi Musa. Seguiu-se o caos, com alvoroço local, manifestações e prisão dos guardas do Monte do Templo e do intermediário da expedição; os membros restantes fugiram de Jerusalém.

ESTE INCIDENTE deixou uma marca duradoura na população muçulmana de Jerusalém, encorajando, como Adison descreve, “um senso de identidade palestina, centrada em Jerusalém e no Haram al-Sharif”. Ele sugere que o escândalo ajudou a unir os muçulmanos sob uma frente unificada para defender al-Haram al-Sharif em um “senso emergente de nacionalismo palestino”.

A população judaica também se sentiu ameaçada pela invasão da Expedição Parker, na época recrutando o Barão de Rothschild para investir em escavações paralelas e garantir que as relíquias judaicas não caíssem nas mãos dos cristãos.

Setenta anos depois, o rabino Shlomo Goren e o rabino Yehuda Getz, o rabino do Muro das Lamentações, repetiram a façanha da expedição, cavando secretamente sob o Monte do Templo, até que também foram descobertos.

Embora a expedição possa ter causado muita indignação, também prestou um serviço à população local, empregando centenas de pessoas na obra e filtrando a água do Poço da Virgem e da Piscina do Siloé, depois de drenar e limpar a área. Eles até reconstruíram degraus para permitir um melhor acesso à nascente. 

Os túneis que a Expedição Parker escavou foram meticulosamente mapeados pelo padre Vincent, um arqueólogo e monge francês, e forneceram os pilares para futuras escavações arqueológicas na área para o próximo século.

Em hebraico e português

Mais notavelmente, em 1995, os arqueólogos israelenses Ronny Reich e Eli Shukron continuaram cavando nos mesmos túneis e poços de água, eventualmente abrindo-os ao público na Cidade de David.

“O fato de esses visitantes caminharem pelo túnel Siloam e verem o sistema Warren Shaft é um legado direto do trabalho realizado pela Expedição Parker”, escreve Addison. 

O legado dos próprios membros da expedição talvez tenha sido menos afortunado.

“Em poucos anos, três estavam mortos, um louco, dois falidos, um divorciado e outro deportado”, observa Addison. Quanto a Juvelius, ele continuou descriptografando cifras adicionais que nunca serviram para nenhuma descoberta até o final de sua vida.

Embora a narrativa da Expedição Parker seja em si bastante excêntrica, o relato de Addison não fica aquém de mais contos estranhos, teorias da Arca, anedotas e trechos de autores famosos da época referenciando membros ou eventos relacionados à expedição. 

Não se sabe se a Arca está escondida sob Jerusalém. No entanto, a crença de que ela foi escondido e preservado sob a cidade por 3.000 anos estimulou uma expedição tão bizarra que atraiu a atenção do mundo e causou um efeito cascata cujas reverberações ainda são sentidas hoje. 

Ajude na manutenção do site doando qualquer quantia para o PIX – vivaisrael2[email protected]

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.