Programa nuclear iraniano cruzou todas as linhas vermelhas

O programa nuclear iraniano “violou todas as linhas vermelhas”, declarou nesta segunda-feira (27) na Assembleia Geral da ONU o novo primeiro-ministro israelense, Naftali Bennett, que garantiu que o Estado hebreu “não permitirá” que Teerã se equipe com uma arma nuclear.

Em seu primeiro discurso perante a Assembleia, Bennett afirmou que a República Islâmica deu “um grande salto” em sua produção nuclear e capacidade de enriquecimento de urânio para fabricar armas nos últimos anos.

“O programa de armas nucleares do Irã está em um ponto crítico, todas as linhas vermelhas foram cruzadas”, disse Bennett, garantindo que o Irã enriqueceu “urânio a um nível de 60%, a um passo de material adequado para armas”.

Booking.com

“Há pessoas no mundo que parecem ver a busca do Irã por armas nucleares como uma realidade inevitável, como um fato consumado, ou simplesmente se cansaram de ouvir sobre isso”, declarou.

“Israel não tem esse privilégio. Não podemos nos cansar. Não vamos nos cansar. Israel não vai permitir que o Irã adquira uma arma nuclear”, enfatizou.

O Irã, que afirma que seu programa nuclear tem fins civis, disse na sexta-feira que espera que as negociações sejam retomadas em breve para reviver um acordo histórico de 2015 que reduziu seu programa em troca de sanções mais flexíveis.

O acordo começou a se desfazer em 2018, quando o Estados Unidos se retirou e restabeleceu as sanções. O Irã, por sua vez, começou a intensificar suas atividades nucleares.

O antecessor de Bennett, Benjamin Netanyahu, que esteve no poder de 2009 até junho, foi um dos maiores críticos do acordo, denunciando-o regularmente em fóruns internacionais.

Bennett, que lidera um governo de coalizão de oito partidos ideologicamente díspares, também se opõe ao acordo nuclear com o Irã, mas não o mencionou em seu discurso na ONU.

Leia mais:

Mais de 31 países boicotarão uma conferência da ONU considerada antissemita

O ministro da Defesa israelense, Benny Gantz, disse este mês à revista Foreign Policy que o Estado judeu não se opunha necessariamente aos esforços dos EUA para voltar a negociar com o Irã, o que foi percebido por alguns especialistas como uma mudança de opinião.

Mas Gantz deixou claro que Israel espera um “plano B viável liderado pelos Estados Unidos” caso as negociações fracassem.

De sua parte, Bennett não expressou publicamente sua abertura a um acordo com o Irã, mas critica Netanyahu pelo que ele chama de “a lacuna” entre a retórica do ex-líder sobre o Irã e a realidade.

David Elmescany

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Next Post

Polícia de Israel mata terrorista após tentativa de ataque em Jerusalém

qui set 30 , 2021
A polícia de Israel matou uma terrorista que tentou executar um ataque com faca contra as forças de segurança na Cidade Velha de Jerusalém. Um comunicado da polícia israelense afirma que a agressora tentou esfaquear os agentes em uma das ruas que levam à mesquita de Al-Aqsa, a maior da […]