Vale a pena arriscar uma recessão para controlar a inflação?

recessão para controlar a inflação?

O que está acontecendo

A economia dos Estados Unidos prosperou nos mais de dois anos desde que foi abruptamente prejudicada pelo início da pandemia do coronavírus. Mas todos esses ganhos –baixo desemprego,um mercado de ações em alta,crescimento salarial constante– foram ofuscados de muitas maneiras pela inflação persistente que empurrou os preços para cima no ritmo mais rápido em uma geração.

No início desta semana, em uma audiência perante o Comitê Bancário do Senado dos EUA, o presidente do Federal Reserve Jerome Powell disse ao Congresso que é “essencial” reduzir a inflação para uma taxa mais sustentável. 

Powell insistiu que o Fed não está “tentando provocar” uma recessão, mas reconheceu que é “certamente uma possibilidade” que os esforços para desacelerar a economia por meio do aumentos nas taxas de juros possam ajudar a criar uma.

A inflação – hoje e historicamente – tem muitas causas, mas as opções que os formuladores de políticas têm para domá-la são limitadas. A ferramenta mais potente é aumentar as taxas de juros, o que torna mais caro pedir dinheiro emprestado e reduz a quantidade total de dinheiro que circula na economia. 

Ao longo das décadas, os aumentos das taxas de juros se mostraram eficazes para controlar a inflação, mas muitas vezes resultam em recessão o que levou um grande aumento nas taxas de juros para conter a inflação severa do final dos anos 1970, levando a uma recessão brutal no início dos anos 1980.

No início deste mês, o Fed elevou as taxas em três quartos de ponto percentual, a maior alta desde 1994. Mais aumentos das taxas são esperados no futuro próximo. Muitos econômico previsores dizem que os esforços do Fed para controlar a inflação aumentaram a probabilidade de os EUA entrarem em recessão no próximo ano.

Por que há debate

Especialistas dizem que ainda é possível para o Fed arquitetar um “aterrissagem suave” para a economia em que aumentos bem direcionados moderem a inflação sem prejudicar o crescimento econômico. Mas, dada a dificuldade há um debate sobre se vale a pena arriscar uma recessão se isso significa controlar a inflação.

Defensores do ataque agressivo à inflação dizem que o aumento dos preços é o maior risco que a economia enfrenta e que não controlar a inflação agora pode trazer condições catastróficas como as vistas na década de 1970. Muitos também concordam com a avaliação de Powell de que a economia está “bem posicionada” para absorver uma desaceleração, porque muitos indicadores – particularmente o desemprego – estão muito fortes agora. Outros dizem que combater a inflação significará impor algum dano real, mas argumentam que a dor só se tornará mais severa quanto mais tempo os formuladores de políticas esperarem para agir.

Os críticos dessa visão argumentam que os aumentos das taxas de juros não são a solução para nosso atual problema de inflação, que eles argumentam ser causado principalmente por problemas de oferta resultantes da pandemia e da guerra na Ucrânia. Sob interrogatório da senadora Elizabeth Warren, D-Mass., na audiência desta semana, Powell admitiu que é improvável que taxas de juros mais altas reduzam o custo do gás ou mantimentos. “A inflação é como uma doença, e o remédio precisa ser adaptado ao problema específico”, disse Warren. O perigo, argumentam ela e outros, é que os aumentos das taxas façam com que o desemprego aumente e sufoque os investimentos, enquanto fazem pouco para aliviar os aumentos excessivos de preços que estão causando as maiores dificuldades para os americanos.

Qual é o próximo

Powell indicou que outro aumento de taxa de meio ou três quartos de um por cento pode estar em ordem quando o Fed tiver sua próxima reunião no final de julho. Pode levar algum tempo até que fique claro se esses aumentos estão causando um impacto significativo na inflação em toda a economia.

LEIA MAIS
Negociação secreta sobre o Irã entre Estados Unidos, Israel, Arábia Saudita e Catar
Os sinais apontam para um acordo de normalização entre Israel e Arábia Saudita
“Três dias de escuridão e sofrimento” para esta primavera, diz vidente siberiana

Perspectivas

Quanto mais esperarmos para levar a sério a inflação, mais severa será a resposta

“Uma recessão está se tornando cada vez mais provável, mas quanto mais esperarmos, mais difícil será o remédio quando a enfrentarmos.” — Pedro Morici.

Os aumentos das taxas de juros não farão nada para resolver as causas da inflação

“Os aumentos das taxas de juros não remediarão as principais causas da inflação atual – enorme demanda mundial reprimida de dois anos de pandemia, escassez de bens e serviços respondendo a essa demanda, guerra de Putin na Ucrânia e grandes corporações lucrativas com poder de preços suficiente para usar a inflação como cobertura para aumentar ainda mais os preços”. —Robert Reich.

A economia está bem posicionada para absorver alguns dos impactos das altas de juros

“À medida que os avisos de recessão se acumulam, é importante ter em mente o que importa para a economia real: contratação e gastos do consumidor. Tudo bem – até mesmo preferível ao Fed – que as contratações e os gastos do consumidor sejam rebaixados de forte para sólido. Enquanto os ricos e a classe média alta continuarem a gastar, provavelmente não haverá recessão. Mas isso não significa que a economia estará bem para muitos.” — Heather Long.

A inflação é ruim, mas o aumento do desemprego é pior

“O Fed e os especialistas arrogantes ignoram que, embora os preços mais altos sejam certamente dolorosos, eles são muito preferíveis ao trauma de perder o emprego.” — Lee Spieckerman.

Vale a pena uma pequena recessão que traga a economia de volta à estabilidade

“Uma recessão leve que consiga manter o baixo desemprego pouparia a maioria dos trabalhadores de demissões. E se o Fed for capaz de reduzir a inflação relativamente em breve, uma economia em contração pode não ser tão ruim quanto parece agora.” — Tristan Bove.

Nosso grupo de Notícias clique aqui
O melhor curso de Inglês clique AQUI 👈

A resposta errada pode atrapalhar o crescimento econômico por uma geração

“Milhões de americanos serão deliberadamente demitidos porque um modelo econômico diz que essa é a única maneira de conter a inflação, enquanto a semente de milho da próxima geração é consumida e os investimentos básicos que precisamos para sustentar uma economia produtiva são adiados .” — David Dayen

Estamos aqui porque o Fed tem sido muito tímido para ir atrás da inflação

“Ninguém quer uma economia mais lenta, muito menos uma recessão. Mas uma medida de dor econômica é o preço que devemos arcar por uma combinação de má política e má sorte. Sim, a devastação causada pela invasão da Ucrânia pela Rússia desempenhou um papel, particularmente no aumento dos preços da energia e dos alimentos. Mas também os erros de política, pelos quais o banco central tem responsabilidade significativa, juntamente com o governo Biden.” — Steven Ratner.

O ônus de conter a inflação não deve recair sobre a classe trabalhadora

“Colocar em risco os meios de subsistência de homens e mulheres trabalhadores, como se fossem os responsáveis ​​pela inflação, é exatamente a abordagem errada.” —Michael Hiltzik.

Mesmo que a recessão comece a se instalar, o Fed deve permanecer comprometido em combater a inflação

“Se o banco central tiver a determinação de manter a política monetária apertada apesar da recessão, há todas as chances de que a inflação possa ser forjada pelo sistema. Isso requer força e independência significativas, já que políticos, investidores e o público pressionariam por cortes nas taxas”. — Philipp Carlsson-Szlezak, Paul Swartz e Martin Reeves.

Sem acompanhamento do Congresso, aumentos de juros não conseguirão domar a inflação

“Embora taxas de juros mais altas reduzam a demanda por coisas como casas e carros, elas também reduzem os incentivos para criar oferta. Ter o Fed sozinho é uma receita para o fracasso e para uma recessão profunda. Espere que o crescimento seja terrível e a inflação suba ainda mais até que os formuladores de políticas se conscientizem.” — Kevin A. Hassett.

Esforços para resolver a inflação devem ser sutis e flexíveis

“Antes de abraçar os cantos de sereia daqueles que agora clamam por um aperto ainda mais agressivo das políticas, Powell pode fazer bem em seguir seu próprio conselho de ser humilde e ágil, especialmente considerando os mercados financeiros altamente frágeis de hoje. Caso contrário, ele corre o risco de entrar na história não apenas como aquele que deixou o gênio da inflação sair da garrafa, mas também como aquele que levou a economia dos EUA à recessão.” — Desmond Lachman

O Fed mostrando que está disposto a agir contra a inflação pode significar que na verdade não precisa

“Quanto mais os investidores estiverem convencidos de que o Fed fará o que for necessário, menos brutal ele realmente precisará ser. … o Fed não deve deixar dúvidas de que, sem progresso na inflação, está pronto para acelerar o ritmo novamente.” — Editorial.