Pesquisadores desenvolvem switches para futuros dispositivos 6G

rede 6G
Trabalhadores instalam equipamentos de telecomunicações 5G em uma torre nos Estados Unidos

Embora o 6G não esteja disponível até cerca de 2030, essas descobertas marcam mais um passo em direção ao futuro.

Uma equipe liderada por pesquisadores da Universidade do Texas em Austin construiu componentes para permitir que dispositivos sem fio atinjam as velocidades necessárias para comunicações 6G, de acordo com a universidade.

Em um estudo revisado por pares publicado na revista Nature Electronics na segunda-feira, a equipe mostrou novos interruptores de radiofrequência que mantêm os dispositivos sem fio conectados saltando de rede para rede e frequência para frequência à medida que recebem dados. Esses comutadores são significativamente mais rápidos, mais eficientes em termos de energia e têm melhor duração da bateria do que os atuais.

LEIA MAIS:
Ataques misteriosos com seringas na França
Cientistas recebem sinais misteriosos do espaço
Israel simula ataque maciço ao Irã com centenas de aeronaves

Um dos principais aspectos que tornam esses interruptores mais eficazes do que os modelos atuais é o uso de dissulfeto de molibdênio (MoS2) entre os eletrodos.

Esses componentes, chamados de memristores, geralmente são usados ​​para memória, mas a modificação que permite que eles sejam usados ​​como interruptores pode permitir velocidades mais rápidas e maior vida útil da bateria.

Olhando para o futuro

Embora o 6G não esteja disponível até cerca de 2030, essas descobertas marcam mais um passo em direção ao futuro .

O pesquisador-chefe Deji Akinwande, professor do Departamento de Engenharia Elétrica e de Computação da Escola de Engenharia Cockrell da UT Austin, disse que para “qualquer coisa que seja operada por bateria e precise acessar a nuvem ou a rede 5G e, eventualmente, 6G, esses switches pode fornecer essas funções de baixa energia e alta velocidade.”