Israel reabre alguns negócios e diminui restrições

Autoridades descreveram o afrouxamento das restrições como reversível, caso ocorram novos contágios 

reabre alguns negócios

O governo de Israel permitiu que algumas empresas reabrissem no domingo (26) e informou que está considerando a volta das escolas como parte dos esforços para flexibilizar as restrições impostas por causa do coronavírus e ajudar a economia do país.

Após semanas fechadas, lojas com acesso à rua reabriram, apesar de shoppings e mercados permanecerem fechados para evitar grandes aglomerações. Os restaurantes foram autorizados a oferecer comida para viagem, além dos serviços de entrega já em operação.

No popular mercado Mahane Yehuda, em Jerusalém, vendedores furiosos usando máscaras fizeram protesto para exigir que suas barracas fossem reabertas. Eles bateram colheres de metal e brigaram com a polícia. Nenhuma prisão foi informada.

“Não faz sentido abrir lojas ou locais que vendem comida aqui na esquina do mercado Mahane Yehuda enquanto esse mercado permanece fechado”, disse Tali Friedman, que chefia o comitê de vendedores.

Israel, que tem uma população de cerca de 9 milhões, teve 15.466 casos de coronavírus e 202 mortes. Com 96 pacientes com covid-19 usando respiradores e mais de 3.000 leitos hospitalares disponíveis, as autoridades veem uma oportunidade de revisar a política da pandemia.

O primeiro-ministro Benjamin Netanyahu iniciará discussões hoje (27) sobre a reabertura gradual das escolas, segundo comunicado de seu gabinete.

O Ministério da Educação propôs que, se o ano letivo recomeçar, deve prosseguir durante as férias para compensar o tempo perdido.

Autoridades descreveram o afrouxamento das restrições como reversível, caso ocorram novos contágios. Em um sinal de afastamento das restrições em todo o país, Israel impôs isolamento no domingo em partes de duas cidades com surtos locais do vírus.

“Se formos diligentes em relação a três regras – máscaras, distanciamento social e higiene – acredito que conseguiremos combinar a vida rotineira com a prevenção da propagação da doença. Não sejam indolentes”, disse o diretor-geral do Ministério da Saúde, Moshe Bar Siman Tov, no Twitter.

Inscreva-se já e fique por dentro das noticias de Israel e do mundo

* indicates required

Viva Israel

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Next Post

Oxford acredita ter vacina para a Covid-19 em setembro.

ter abr 28 , 2020
A Universidade de Oxford acredita que em setembro pode ter a vacina contra a Covid-19. Um grupo de investigação conseguiu resultados eficazes em macacos e até ao fim de maio vai testar o fármaco em seis mil pessoas. A liderança de Oxford na corrida para encontrar uma vacina contra a […]
oxford