Rússia permitirá que milhares de voluntários do Oriente Médio lutem contra a Ucrânia

O PRESIDENTE RUSSO Vladimir Putin se encontra com o presidente sírio Bashar Assad no Kremlin no ano passado. 

O presidente russo, Vladimir Putin, deu sinal verde na sexta-feira para que 16.000 voluntários do Oriente Médio sejam mobilizados ao lado de rebeldes apoiados pela Rússia para lutar na Ucrânia, dobrando uma invasão que o Ocidente diz estar perdendo força.

A medida foi tomada pouco mais de duas semanas desde que Putin ordenou a invasão, permite à Rússia enviar mercenários experientes em conflitos como a Síria sem arriscar mais baixas militares russas.

Em uma reunião do Conselho de Segurança da Rússia, o ministro da Defesa, Sergei Shoigu, disse que havia 16.000 voluntários no Oriente Médio que estavam prontos para lutar com as forças apoiadas pela Rússia na região separatista de Donbas, no leste da Ucrânia.

“Conhecemos muitos desses voluntários, eles ajudaram na luta contra o ISIS durante os últimos 10 anos”, disse Shoigu, segundo a TASS .

“Se você vê que há essas pessoas que querem por sua própria vontade, não por dinheiro, vir ajudar as pessoas que vivem em Donbas, então precisamos dar a elas o que elas querem e ajudá-las a chegar à zona de conflito”, disse Putin.

Booking.com

Shoigu também propôs que os mísseis Javelin e Stinger, fabricados no Ocidente, capturados pelo exército russo na Ucrânia, fossem entregues às forças de Donbas.

“Quanto à entrega de armas, especialmente as de fabricação ocidental que caíram nas mãos do exército russo – é claro, eu apoio a possibilidade de entregá-las às unidades militares das repúblicas populares de Luhansk e Donetsk”, disse Putin.

“Por favor, faça isso”, ele disse a Shoigu.

A Rússia invadiu a Ucrânia em 24 de fevereiro logo após Putin reconhecer os territórios separatistas como estados independentes , em uma ação condenada internacionalmente como ilegal.

Forças russas podem usar armas químicas, diz enviado da Ucrânia à OPCW

A Rússia diz que sua “operação militar especial” na Ucrânia foi uma resposta forçada ao que chama de genocídio da Ucrânia contra falantes do idioma russo no leste do país – um pretexto rejeitado por Kiev e pelo Ocidente como propaganda de guerra infundada.

Shoigu disse que os militares russos planejam fortalecer sua fronteira ocidental após o que ele disse ser um aumento nas unidades militares ocidentais na fronteira com a Rússia.

A Ucrânia aceitou milhares de voluntários estrangeiros para ajudar na luta contra a Rússia. Todos eles foram incorporados à Legião Internacional e todos eles são elegíveis para a cidadania ucraniana.

Não está claro quais benefícios os voluntários estrangeiros para a Rússia teriam direito, se houver.

Em resposta aos comentários de Putin, o presidente ucraniano Volodymyr Zelensky disse que a Rússia estava enviando mercenários sírios.

Alemães voltam para casa

A maioria dos extremistas que deixaram a Alemanha para ajudar a Ucrânia a lutar contra a Rússia voltou, disse um porta-voz do Ministério do Interior alemão nesta sexta-feira.

O porta-voz reiterou uma declaração anterior de que o número de extremistas na Ucrânia estava na casa de um dígito.

A Alemanha conseguiu impedir que mais extremistas saíssem para lutar na Ucrânia e na Rússia, acrescentou o porta-voz durante uma coletiva de imprensa regular, sem dar um número.

Na Alemanha, o número de incidentes anti-russos e anti-ucranianos tem sido baixo e o ministério está monitorando a situação, acrescentou o porta-voz.

Ucrânia e os palestinos

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.