Cientistas recebem sinais misteriosos do espaço

As civilizações alienígenas estão chegando até nós na Terra , enviando mensagens desconcertantes aparentemente sem sentido para estabelecer contato com a humanidade?

De acordo com o místico israelense Uri Geller, esse é exatamente o caso.

O famoso dobrador de colher se referia especificamente ao curioso caso da Voyager 1, uma sonda espacial lançada pela NASA em 1977. Desde então, continuou a operar quase 45 anos depois, tendo realmente saído do sistema solar e viajado para o espaço interestelar.

sinais misteriosos do espaço
Uri Geller

Mas recentemente, os sinais que a NASA vem recebendo desta sonda são estranhos, aparentemente confusos sobre sua localização.

No que diz respeito à NASA, isso não é motivo de alarme.

“Um mistério como esse é uma espécie de prova neste estágio da missão Voyager”, disse Suzanne Dodd, gerente de projeto das Voyager 1 e 2 no Laboratório de Propulsão a Jato da NASA no sul da Califórnia, em comunicado no dia 18 de maio.

As naves espaciais têm quase 45 anos, o que está muito além do que os planejadores da missão anteciparam. Também estamos no espaço interestelar – um ambiente de alta radiação que nenhuma espaçonave voou antes. Portanto, há alguns grandes desafios para a equipe de engenharia. Mas acho que se houver uma maneira de resolver esse problema com o AACS, nossa equipe encontrará.”

Geller, no entanto, tem uma ideia diferente. Para ele, não é nenhuma falha. É uma mensagem direcionada de uma civilização extraterrestre avançada, embora a NASA evidentemente esteja lutando para decifrar.

“Isso é o que eu acredito,” ele explicou. “Eu realmente acredito que eles são tão avançados que podem facilmente criar essas falhas e enviar mensagens difíceis para a NASA decifrar.”

Embora Geller possa ser o primeiro a propor que os sinais da Voyager 1 sejam comunicação alienígena, a ideia de que civilizações extraterrestres avançadas estão tentando se comunicar conosco na Terra não é nova, com pesquisadores como os do projeto Breakthrough Listen fundado pelo bilionário israelense Yuri Milner, que se especializam em esforços abrangentes de busca para transmissão alienígena.

De fato, a ideia de alienígenas tentando se comunicar com a Terra por meio de sinais é algo que faz parte dos esforços de Busca por Inteligência Extraterrestre (SETI) há décadas. 

Uau ! Sinais misteriosos do espaço?

Embora tenha havido muitos esforços diferentes para rastrear sinais alienígenas, não há nenhum mais famoso do que o sinal Uau!

O sinal em si é um forte sinal de rádio de banda estreita e foi gravado em 15 de agosto de 1977, no radiotelescópio Big Ear na Ohio State University. No entanto, o sinal, ou qualquer outro semelhante, não foram detectados novamente.

Consequentemente, é visto como o candidato mais forte para uma transmissão extraterrestre genuína.

Mas de onde veio?

Bem, um recente estudo acadêmico revisado por pares por um estudante de doutorado na Espanha chamado Alberto Caballero conseguiu supostamente identificar de qual estrela se originou.

Mas Caballero não está apenas tentando rastrear o Uau!  Nos últimos dias, o doutorando também é autor de outro artigo acadêmico. Este, publicado no site de pré-impressão arXiv e que não foi revisado por pares, e intitulado “Estimating the Prevalence of Malicious Extraterrestrial Civilizations” e propõe que existem talvez quatro civilizações alienígenas avançadas na Via Láctea que são hostis e poderia representar um perigo para a Terra.

Israel simula ataque maciço ao Irã com centenas de aeronaves

Este artigo se baseou em muitas suposições, das quais ele admite livremente e, portanto, funciona mais como um experimento mental do que como uma evidência empírica genuína. Mas ainda propõe um ponto interessante: os esforços para tentar entrar em contato com alienígenas, caso isso seja possível, são perigosos, pois podem até provocá-los.

Mas Geller tem uma abordagem diferente. Em vez de temer os perigos dessas possíveis civilizações hostis, ele acha que aqueles que estão tentando nos contatar através da Voyager 1, os que estão mais próximos de nós, são amigáveis. Como tal, contatá-los não é arriscado. Na verdade, de acordo com ele, pode ser apenas o melhor.

“As mudanças climáticas estão derretendo as calotas polares”, explicou. “Pode haver um enorme cometa ou asteroide vindo para a Terra . E claro, temos muitas bombas nucleares, mas não temos como parar o aquecimento global ou curar câncer ou AIDS ou mesmo COVID-19. Vivemos apenas cerca de 85 anos. Achamos que somos tão avançados, mas no grande esquema das coisas, estamos realmente atrasados. Tenho a sensação de que eles chegarão aqui um dia porque sabem que precisamos da ajuda deles.”

Claro, muitas pessoas afirmam ter tido encontros próximos com o terceiro tipo, e Geller não é exceção. Ele afirma ter tido um encontro alienígena quando criança em Tel Aviv, e mais tarde ter tocado um fragmento de um OVNI durante uma viagem à NASA para se encontrar com o Dr. Werner von Braun na década de 1970.

E ele está longe de ser a única pessoa a pensar assim.

A verdade está lá fora!

Uma pesquisa do Pew Research Center de junho de 2021 descobriu que a maioria dos americanos acredita que existe vida alienígena no universo. Além disso, a esmagadora maioria desses americanos também pensava que os OVNIs eram uma ameaça menor ou nenhuma ameaça.

De fato, por mais ridícula que a ideia de alienígenas possa parecer, há uma coisa que a evidência empírica não nega: que a ideia de alienígenas tem uma influência cativante sobre o público em geral. Não é apenas uma ideia de conspiração marginal, mas é algo em que nós, como sociedade, estamos cada vez mais interessados.

É por isso que pessoas que desempenharam papéis fundamentais para levar a humanidade ao espaço, como von Braun ou o astronauta da NASA Edgar Mitchell, alegaram acreditar em alienígenas, afirmou Geller. 

E eles também não estão sozinhos. 

O dobrador de colher contou uma história recente de um grupo de cientistas de uma importante universidade israelense que visitou o Museu Uri Geller em Jaffa. Lá, ele mostrou a eles seus vídeos e apresentações sobre alienígenas, OVNIs e seus próprios relatos de primeira e segunda mão sobre eles. E de acordo com Geller, esses cientistas estavam assistindo com muita atenção.

“É um assunto fascinante”, explicou Geller, “porque no fundo de suas mentes, eles sabem que há algo real lá, e eles ainda não sabem o quê”.

E isso é emblemático da frase clássica que incorporou a busca por OVNIs e SETI por anos: A verdade está lá fora.